Enfermeira grávida morre com covid-19 mas o bebé sobreviveu

A jovem enfermeira de 28 anos estava internada em Londres desde 7 de abril e morreu no domingo. Mas os médicos conseguiram salvar a sua filha.

Uma enfermeira grávida morreu após contrair o novo coronavírus, mas o bebé, uma menina, sobreviveu e está bem de saúde, disse esta quarta-feira o hospital britânico onde a profissional de saúde trabalhava. A criança nasceu prematura após uma cesariana de emergência no domingo.

Mary Agyeiwaa Agyapong, 28 anos, que trabalhava como enfermeira numa ala geral do Hospital Universitário Luton e Dunstable, no norte de Londres, morreu no domingo. Não foi esclarecido se o bebé apresentou resultado positivo à doença.

A Fundação NHS da Bedfordshire Hospitals disse que Agyapong testou positivo em 5 de abril e foi internada no hospital em 7 de abril.

"É com muita tristeza que posso confirmar a morte de uma das nossas enfermeiras, Mary Agyeiwaa Agyapong, que faleceu no domingo", disse David Carter, diretor executivo.

"Mary trabalhou aqui durante cinco anos e foi um membro altamente valorizado e amado da nossa equipa, uma enfermeira fantástica e um ótimo exemplo do que defendemos. Os nossos pensamentos e condolências mais profundas estão com a família e os amigos de Mary neste momento triste."

Os colegas de trabalho de Mary Agyapong realçam a sua dedicação ao serviço e estão agora a angariar fundos para ajudar a sua família, informa a BBC.

O anúncio da morte ocorre no meio de uma disputa contínua devido à falta de equipamento de proteção fornecido às equipas de saúde da linha de frente no Reino Unido durante a crise.

Mas nem tudo é mau. Foi anunciado que Connie Titchen, 106 anos, é a pessoa mais velha da Grã-Bretanha a superar o vírus.

Médicos do City Hospital em Birmingham, no centro da Inglaterra, disseram que lutou contra o vírus depois de ficar doente durante cerca de três semanas.

O exemplo do veterano Tom Moore

Um veterano do exército de 99 anos, na quarta-feira, terá angariado mais de 8 milhões de libras (9 milhões de euros,) para o NHS, o serviço de saúde britânico. Tom Moore pretendia arrecadar mil libras completando 100 voltas ao seu jardim, com recurso a uma estrutura de apoio, mas viu as doações serem aos milhares depois de as notícias se espalharem. Mais de 450 mil pessoas contribuíram com donativos para a página de angariação de fundos que Tom Moore criou.

A sua recolha de recursos foi reconhecida pelo ministro da Saúde Matt Hancock, que disse esta quarta-feira em Downing Street: "Capitão Tom, você é uma inspiração para todos nós e agradecemos".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG