"Em Portugal tem de haver mais ambição. Têm de queixar-se menos e fazer mais"

Como o sonho e a teimosia de um adolescente de Oliveira de Azeméis - a paixão pela tecnologia e pelos novos negócios - e um "acordo" com os pais acabaram por resultar numa carreira académica e profissional de sucesso no competitivo mundo de Silicon Valley

Bernardo de Seabra nasceu em Oliveira de Azeméis há 34 anos e está a uns dois anos de poder dizer que já viveu mais de metade da vida dele nos Estados Unidos. Chegou pela primeira vez à Califórnia, a Los Angeles, com 18 anos acabados de celebrar. A viagem foi o final feliz de um sonho de adolescência transformado, como muitos, em teimosia e braço-de-ferro com os pais. "Sempre gostei muito de tecnologia e também da parte do negócio, de como conciliar tecnologia e negócio, e Silicon Valley era e é a referência. Comecei a pensar em vir para cá aos 15 anos, durante o secundário. Falei com os meus pais sobre o assunto e eles disseram que era uma questão de vermos, de estudarmos a situação." E foi o que fez, dedicou-se a estudar a situação. "Passei algum tempo na internet para perceber o sistema da educação cá nos EUA, das universidades, como é que eram as candidaturas, quais os exames que tinham de ser feitos, etc. Também falei com duas ou três pessoas que vieram para cá estudar - todas elas ou o mestrado ou o doutoramento, não a licenciatura -, para saber como é que era a vida cá, se gostaram, se não gostaram, se recomendavam vir para cá estudar... Recolhi essa informação e partilhei com os meus pais." Seria o início de uma grande aventura, sempre com objetivos bem definidos.

Com brilho nos olhos, sentado numa sala de reuniões da Yahoo! na baixa de São Francisco - a empresa ocupa parte do histórico edifício do San Francisco Chronicle, jornal fundado em 1865. O prédio nasceu em 1924 -, Bernardo recua a esses dias em que tentava convencer os pais. "Na altura a Yahoo! era a darling de Silicon Valley e eu queria vir para cá estudar, porque sempre achei que tem de haver um propósito na vida e... não é para dizer mal de Portugal, até porque já mudou um bocadinho, mas em Portugal havia muitas pessoas naquela rotina de trabalhar de segunda a sexta das nove às seis. Um emprego era para pagar as contas e para ir de férias. Eu não via grande propósito nessa vida e queria algo mais, algo que fizesse sentido, como uma missão, e via muitas empresas aqui em Silicon Valley que tinham essa missão." Sair de um país que na altura, aos olhos de Bernardo, era "muito pequeno" tornou-se quase uma obsessão. A insistência no tema, a tal informação recolhida e partilhada com os pais à mesa dos jantares de família, desaguou num compromisso, num "acordo". Os pais disseram-lhe que sim, que podia ir para os EUA estudar, mas primeiro teria de fazer-se uma prova dos nove. "O acordo foi que eles me apoiavam nessa decisão, mas que o melhor era vir para cá uns meses, para ver se gostava de cá estar, se me adaptava, se realmente era isso que eu queria fazer e, também, melhorar o meu inglês".

E lá seguiu viagem, com 18 anos, para Los Angeles. "Vim para uma escola de línguas estudar inglês e fazer também um exame, o chamado TOEFL, que é preciso para a candidatura às universidades. Passados nove meses regressei a Portugal e disse aos meus pais que sim." Não eram tempos fáceis para tranquilizar as mães de quem estudava nos EUA. Bernardo chegou a Los Angeles no dia 1 de setembro de 2001. Dez dias depois, a mãe assistia em Portugal e em direto aos ataques às torres gémeas em Nova Iorque. "A minha mãe estava muitíssimo preocupada, como é óbvio, mas eu disse que achava que não havia problema e que ia ficar e continuar, pois tinha-me comprometido a vir nove meses para ver se era realmente isto que eu queria. Voltei com intenções de me candidatar a uma universidade cá e assim foi. Cheguei aqui, à baía de São Francisco, em dezembro de 2003." A adaptação à Califórnia, garante, foi tranquila, com exceção da hora do jantar. "Eu era novo, tinha 18 anos, penso que é muito mais difícil para pessoas que vêm para cá mais tarde. Para ser honesto, o mais difícil foi adaptar-me aos horários de alimentação nos Estados Unidos - jantar às seis da tarde -, fez-me muita confusão, mas, tirando isso, conheci pessoas de todas as partes do mundo, um melting pot bastante grande; em Portugal, naquela altura especialmente, havia poucos estrangeiros com que a pessoa lidava diariamente, mas foi giro conhecer outras culturas... Japoneses, coreanos, chineses, europeus, sul-americanos e americanos também que estavam naquela zona."

Entrou para o De Anza College, um community college - equivalente aos nossos institutos politécnicos, normalmente públicos e com cursos médios, de dois anos, em áreas técnicas -, onde esteve dois anos e depois conseguiu o objetivo de entrar em Berkeley. Pelo meio, fez um ano de pausa e um estágio que o marcou. "Estive a estagiar na Cisco Systems durante cerca de nove meses, foi uma experiência muito interessante trabalhar numa empresa com cerca de 80 mil pessoas a nível global naquela altura - agora ainda é maior -, como estagiário. Sempre me dediquei muito àquilo que faço, gosto de fazer as coisas bem feitas, demonstrei o meu valor e o que podia fazer e, passados uns meses, comecei a chefiar um pequeno projeto da Cisco." O estagiário deu nas vistas. "Ia a reuniões com colegas, para coordenar trabalho e tudo o mais, e eles perguntavam quem era o chefe de equipa e eu respondia, sou eu! Eles perguntavam, mas tu não és um estagiário? Eu respondia, sou, e depois? [risos]. Foi uma altura muito marcante e acho que foi ao passar por essa experiência que eu vi que era verdade o que era dito aqui. Aquela história dos títulos não serem importantes. O que é realmente importante é demonstrar valor; não interessa se a pessoa estudou na faculdade ou não, ou se tem o título x ou y, tem realmente é de demonstrar valor. Era mesmo verdade."

Bernardo de Seabra sabia que Berkeley seria uma chave mestra na carreira dele. Iria abrir muitas portas. Ainda assim, aprendeu rapidamente que estudar numa universidade que está no top 3 dos EUA é duro. "Fazem-nos trabalhar como cães. É preciso estudar para as aulas, para os exames... São os trabalhos de grupo e os trabalhos de casa e os trabalhos de projeto e depois isto e depois aquilo... foi realmente uma experiência má nesse sentido, porque não tinha tempo para mais nada a não ser a universidade." A face mais positiva desse período foi saber que iria aproveitar, um dia, a reputação de Berkeley. "Preparou-me realmente para o futuro, especialmente na área das tecnologias em que as coisas mudam tão depressa. A preparação é focada - e Berkeley faz isso muito bem -, nas foundations, nos alicerces, eles praticamente ensinam a aprender, porque nesta área da tecnologia a pessoa tem de estar sempre a par da situação, o que é que está a mudar, o que é que se está a desenvolver." Crescer na academia sem "marrar", mas aprendendo a aprender. "Em vez de outros métodos, de outras universidades, em que a pessoa está mais a memorizar soluções e não tanto a pensar como resolver o problema. O problem solving é bastante importante, não só na parte de tecnologias como noutras áreas e na vida também."

Sai de Berkeley em 2009 já com propostas de trabalho e entra numa empresa de social gaming, de jogos no Facebook. "A empresa estava a crescer imenso - nós passámos de 60 para 600 pessoas num ano - e obviamente que foi uma experiência muito interessante para mim. Numa empresa que cresce assim tão depressa o caos é enorme. Num ano tive cerca de cinco managers diferentes, porque as pessoas estavam sempre a mudar, estavam sempre a fazer a restruturação das equipas e dos produtos e de tudo o mais, mas foi uma experiência muito interessante. Depois fomos comprados pela Walt Disney, por 762 milhões de dólares. Uma empresa com três, quatro anos de existência, foi um êxito muito rápido. Depois disso estava a trabalhar para a Disney e trabalhar para a Disney é trabalhar para uma empresa grande, muito burocrática, não é a mesma coisa, aí andava à procura do meu próximo desafio." O desassossego levou-o até à BrightRoll, uma empresa de vídeo de publicidade online. "Nós não fazemos os vídeos dos criativos, mas temos a plataforma toda para fazer targeting e a gestão da campanha e também a rede de sites com conteúdos de vídeo onde mostrar esses anúncios e ajudar os sites a monetizarem o conteúdo deles." Era mais um caso de crescimento acelerado. "Quando entrei na empresa tínhamos dez engenheiros, uma equipa muito pequena e, em termos de tráfego, ainda tínhamos pouca coisa. A empresa estava a duplicar o revenue [rendimento] ano após ano, também estava a crescer em termos do número de pessoas, mas os sistemas também tinham de escalar, porque no online video advertising a escala é enorme." É na BrightRoll que assume aquela que é a sua especialidade neste momento - big data e monetização de conteúdos online. "Foi uma experiência muito boa do ponto de vista profissional, a de construir sistemas que fossem escaláveis e foi aí que eu também comecei mais a ficar na área de big data, que é a minha expertise, portanto, como adquirir dados em alta escala e como processar os dados e armazenar os dados para que possam ser acessíveis e ter um bom insight em termos de business metrics [métricas de negócios], em termos de building [desenvolvimento], em termos de analytics [análises] e no geral."

A empresa foi comprada pela Yahoo!, por 640 milhões de dólares, e Bernardo passou a trabalhar na companhia que tinha ajudado a construir os seus sonhos de adolescente ainda em Portugal e por onde tinha passado como estagiário em 2008. Hoje funciona num nível bem diferente. "Trabalho frequentemente com o CTO (diretor técnico) da Yahoo! para definir uma estratégia a nível de processamento de dados, de armazenamento de dados, etc., e estamos a falar de alta escala. A Yahoo! produz cerca de dois petabytes (equivalente a dois milhões de gigabytes) de dados por dia e, portanto, esses dados têm de ser processados, armazenados e geridos; não mantemos os dados para sempre e temos de saber em que formato os guardar, por quanto tempo os guardar e como os processar, etc., de forma eficaz e em todo o mundo, porque nós temos data centres em toda a parte do mundo." Bernardo de Seabra vai-se mexendo na cadeira e falando com as mãos enquanto conversamos numa sala num recanto do grande open space que ocupa parte da antiga redação do San Francisco Chronicle. Fala sempre com grande paixão daquilo que faz atualmente, num discurso entremeado por expressões em inglês. "É um desafio interessante, mas também bastante complexo e é isso em que eu me foco, sou arquiteto de software e tenho responsabilidades diretas a nível de advertising na empresa, em termos de dados." Pergunto-lhe pelo lado mais polémico da sua atual paixão - o big data. "Em termos de privacidade, eu acho que tanto na Yahoo! como na Google temos muita consciência dos dados que temos e de como é que os dados podem ser usados e de como podem ser usados incorretamente. Nós temos políticas internas para termos a certeza de que não há uma invasão de privacidade." Diz que não o assusta muito, admite que estes pacotes massivos de informação podem ser tratados de forma menos própria, mas lembra os custos reputacionais para empresas que escolherem esse caminho. "Acho que as empresas também têm medo de quebrar essa confiança junto dos utilizadores, pois se quebram essa confiança as coisas podem correr muito mal. Uma história que não tem que ver com big data, mas que pode ter um final muito parecido a quebra de confiança, é a da Uber. Tem havido vários escândalos e as pessoas estão a perder confiança na empresa, nos valores que a empresa tem na sua cultura e nas suas ações."

Bernardo dá um exemplo do que faz: "Se eu for à Amazon pesquisar o que pesquisei ontem, umas lâmpadas de que precisava, hoje no Facebook aparece-me um anúncio das lâmpadas que pesquisei, é um conceito chamado retargeting, que eu compreendo perfeitamente, que é muito comum na indústria de publicidade, mas, lá está, há um algoritmo que está a personalizar aquele conteúdo para mim, não é o Manuel nem a Maria que estão ali a ver o que é que eu estou a fazer, até porque são muitos dados." E os nossos telemóveis, que nos dizem onde está estacionado o carro, quanto tempo vamos demorar até chegar a casa e que é melhor ir pelo caminho A do que pela estrada B? Bernardo prefere olhar para o lado bom da questão. "Eu acho ótimo. Acho que a tecnologia aplicada à vida e a resolver problemas ajuda a pessoa a não se preocupar tanto; por exemplo, tudo o que eu tenho de fazer está no meu calendário, não tenho de estar preocupado se estou atrasado para uma reunião ou se estou a esquecer-me de ir ter com alguém a algum sítio porque a tecnologia existe para nos ajudar. Agora, eu adorava, por exemplo, saber que para aquela reunião que eu tenho com a pessoa x no sítio y vou demorar x tempo a lá chegar, saber quando é que tenho de pedir um carro, quanto tempo é que vai demorar o carro e quanto tempo é que vou demorar a chegar lá. Acho que era ideal ter quase como que um assistente pessoal que me dissesse: "Bernardo está na altura de ires lá para baixo que o teu carro está a chegar para te levar à reunião tal." Porque isso simplifica-me a vida e eu posso passar menos tempo a preocupar-me com estes detalhes que não trazem valor nenhum e preocupar-me com as outras coisas que são mais importantes." Não há de estar longe, esse cenário. Bernardo de Seabra desce uns degraus na escada tecnológica para dar um exemplo. "É um bocadinho como pensar: "porquê comprar um aspirador? Posso limpar a casa sem aspirador". Poder, posso, mas demora muito mais tempo. Porque não aplicar a tecnologia para simplificar a vida e para que as pessoas passem o tempo a fazer as coisas de que realmente gostam e não as tarefas que têm de fazer?

Não tenho planos para voltar. Há aqui uma energia que me alimenta

Aos 34 anos, mais de 16 nos EUA chegam para mudar mentalidades e deixar para trás velhos hábitos que trouxe de Portugal? Com um sorriso, Bernardo lembra que o aniversário tinha sido há dias (no início de março). "Vim para cá aos 18, já estou a ficar muito perto do meio/meio, de passar metade do meu tempo de vida aqui. Acho que já não sou completamente português, especialmente na minha mentalidade. Por vezes, quando vou a Portugal, há certas coisas que começam a fazer-me confusão na mentalidade das pessoas, o que as pessoas valorizam, como veem o mundo, certas coisas fazem-me confusão."

São os constantes atrasos e adiamentos, disparo eu que tinha chegado uns bons 45 minutos atrasado... "[Risos] Nisso ainda sou muito português, infelizmente." Depois de parar a risada, Bernardo diz que "os imprevistos acontecem e eu acho que as pessoas aqui já são mais compreensivas, mas também acho que muitas vezes já estão preparadas para poderem usar o tempo eficazmente se tiverem de estar à espera de alguém, tanto no telemóvel a responder a e-mails, como a ler notícias". O que verdadeiramente o irrita, diz, "é o pensar pequenino. Eu acho que as pessoas em Portugal têm de pensar grande e saber que podem não conseguir alcançar. E se pensarem pequenino e alcançarem não sabem se podiam ter alcançado mais. Acho que tem de haver essa ambição, têm de se queixar menos e fazer mais". O português queixa-se muito? Bernardo volta a sorrir. "A pessoa pergunta, "Então, João estás bom?" E a resposta é, "cá se vai andando". Nunca é, "está tudo ótimo, as coisas estão a correr bem". Eu acho que é um pouco aquele lado dramático do nosso fado..."

E a saudade, uma outra marca do ser português? A falta do mar, que não é o mesmo no norte da Califórnia, da comida, dos cheiros... "Do que sinto mais falta é das pessoas, da família. Eu se quiser mar meto-me num avião e vou a San Diego ou ao México, não é por aí. Agora, pensar que pessoas que me são muito importantes, como a minha avó, a minha tia-avó, e, evidentemente, os meus pais, a minha irmã e o resto da minha família também, mas mais as pessoas de idade que sei que... [pausa] sempre que as visito e volto, não sei se não é a última vez que as vou ver."

Bernardo de Seabra tem algo que o diferencia dos outros portugueses que trabalham nas tecnológicas de Silicon Valley - não tem planos para regressar. "Estou cá para o longo prazo. Gosto de cá estar. Vim muito mais novo do que a maior parte das pessoas e as raízes são diferentes. É deste ambiente que gosto, que me faz vibrar, quase que se sente uma energia que nos alimenta, a pessoa está num café e ouve as pessoas ao lado a falar de uma aplicação nova que estão a desenvolver ou de uma ideia, de uma empresa, e isso alimenta-me muito o espírito." O olhar volta a um brilho mais intenso quando lhe pergunto se não pensa em criar um negócio próprio. Lembra-me que a Yahoo! já tem 22 anos. "Não me imagino a ficar aqui muito tempo. Gosto de empresas pequenas com hypergrowth [crescimento ultrarrápido]. Sempre quis começar uma empresa própria. Estou, digamos, a brincar com uma ideia em part-time, mas também estou em contacto com muitas empresas, muitas startups... Falo com vários empreendedores aqui na cidade e nunca se sabe."

Perfil

Bernardo de Seabra
- 34 anos, nascido e criado em Oliveira de Azeméis onde estudou até completar o 12.º ano na Secundária Soares Basto.
- Licenciou-se na Universidade de Berkeley, no norte da Califórnia, e completou um curso técnico no De Anza Community College, sempre na área da arquitetura de software.
- Hoje em dia é especialista em big data e monetização de conteúdos online.
- Estagiou na Cisco Systems e na Yahoo!, onde é arquiteto de software desde janeiro de 2015, quando a gigante comprou a empresa onde trabalhava, a BrightRoll. Entre 2010 e 2011 trabalhou na Playdom, entretanto adquirida pela Disney.
- É ainda consultor de investimentos na 500 StartUps, em São Francisco, na West to West - uma organização que ajuda jovens empreendedores portugueses a vingar em Silicon Valley - e na Portugal Ventures.

-----------

Em São Francisco. Esta reportagem foi feita no âmbito de uma parceria DN-FLAD

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

É o que dá prometer nacionalizar tudo o que mexe

A chegada de Jeremy Corbyn à liderança do Partido Trabalhista foi saudada como uma espécie de feliz regresso às origens, aos ideais fundacionais, à verdadeira esquerda. Tanto mais que essa vitória se fez contra as principais figuras do partido, enfrentando o chamado sistema, amparado num discurso profundamente desconfiado da economia de mercado e próximo de experiências socialistas ou comunistas. Nessa narrativa, que se popularizou, Blair representava o abastardamento desses ideais, uma espécie de esquerda vendida, incapaz de resistir aos vis interesses do capitalismo. Já Corbyn, claro, representava a esquerda autêntica, a preocupada com os mais vulneráveis, e por isso capaz de mobilizar toda aquela jovem militância que transvasava para o partido vinda das redes sociais. E à medida que Corbyn foi resistindo aos ataques do chamado baronato do partido, e não o levando ao colapso eleitoral que os barões afiançavam, a narrativa foi ganhando adeptos na opinião publicada e nas redes sociais politizadas, como que confirmando a ideia de que o centro moderado estava morto, enterrado, que o velho socialismo era o novo socialismo, o único capaz de mobilizar a juventude e as massas, o exemplo a seguir. Diga-se que esta ideia de moderação morta e enterrada não se quedou pelos trabalhistas ingleses nem sequer pela esquerda inglesa. Vários partidos socialistas europeus andam com entusiasmos ou ânimos semelhantes (França, Espanha e Portugal são exemplos), como à direita anda muita gente a defender o mesmo (Espanha e Portugal são exemplos também). Mas eis que o colapso eleitoral chegou, e com estrondo. Um resultado ainda pior do que o sofrido por Foot e Kninock, perdendo bastiões que eram seus há décadas. É o que dá defender nacionalizações de tudo e mais alguma coisa e propor um manifesto próprio da esquerda sul-americana. É o que dá confundir indignação com razão, radicalismo com determinação, emoção com inspiração, tudo embalado pelas redes sociais politizadas, dominadas por elites urbanas deslocadas das principais preocupações das pessoas. Mas se o centro não morreu, se a moderação está viva e de boa saúde, como explicar que Boris Johnson, tomado por cá como uma espécie de Trump, como uma direita pouco moderada, tenha tido uma vitória esmagadora? Convém ir além da forma e do estilo e conhecer não só o trajeto executivo de Boris na Câmara de Londres como também o seu manifesto para estas eleições. Conhecendo-o, vejo poucas razões para a direita que desdenha a moderação andar a celebrar esta vitória. Boris funda o seu manifesto numa adesão à economia de mercado e à democracia liberal pouco compatível com os críticos da globalização e da livre circulação, e exalta um cosmopolitismo e um liberalismo social que costumam arrepiar quem acha que isso é marxismo cultural.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Contas certas com prioridades certas

Cada vez mais, ouvimos dizer que o vínculo entre os cidadãos e a vida política é, hoje em dia, menos pleno do que antes. Rui Rio, esta semana, falou até de um "divórcio entre a sociedade e os partidos". Percebe-se o recurso a esta metáfora por parte do PSD, devido ao seu clima interno de discórdia. No entanto, constatar o afastamento não basta e não nos isenta. Há também que refletir sobre o conceito de "democracia de proximidade" de que tanto falamos e do que isso significa. O que é - de facto - uma democracia de proximidade? Em primeiro lugar, é a democracia próxima dos problemas e anseios dos cidadãos. Basta olhar para a esfera pública para perceber que se exige cada vez mais à democracia que seja capaz de resolver problemas reais e estruturais.