"Ataque perfeito, missão cumprida", diz Trump. Rússia avisa: "Vai haver consequências"

EUA, Reino Unido e França lançaram esta noite um ataque de mísseis à Síria, que durou cerca de 70 minutos, e teve como alvos as fábricas e paióis de armas químicas do regime de Bashar al-Assad. Acompanhe aqui as reações ao minuto

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou ao início da madrugada deste sábado (hora de Lisboa) ter ordenado ataques com mísseis contra alvos na Síria, em resposta aos alegados ataques com armas químicas realizados pelo regime de Bashar al-Assad no passado fim de semana. Numa operação encabeçada pelos norte-americanos, participaram também o Reino Unido e a França.

A Rússia reagiu, com Anatoly Antonov, embaixador da Rússia nos EUA, a dizer; "Estamos a ser mais uma vez ameaçados. Avisámos que estas ações não ficariam sem consequências". Também Vladimir Putin já falou sobre o ataque, em comunicado, falando em "ato de agressão contra um Estado soberano".

As reações por toda a comunidade internacional sobre o ataque vão sucedendo-se. Acompanhe aqui ao minuto todos os desenvolvimentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".