Ellen DeGeneres pede desculpa a funcionários após acusações de racismo e ódio no programa

Num email enviado à equipa, Ellen pediu desculpas e disse que estava "comprometida em garantir que isso não aconteça novamente"

A apresentadora de televisão e humorista norte-americana Ellen DeGeneres pediu desculpas aos funcionários depois de o BuzzFeed ter revelado que o ambiente de trabalho do programa Ellen DeGeneres Show é tóxico e racista.

Num e-mail enviado à equipa, Ellen pediu desculpas e disse que estava "comprometida em garantir que isso não aconteça novamente". "Todos temos de estar mais atentos à maneira como as nossas palavras e ações afetam os outros e estou feliz que os problemas do nosso programa tenham sido trazidos à minha atenção", acrescentou.

Entretanto, vários funcionários serão substituídos.

Os rumores pouco abonatórios sobre a personalidade da atriz existem há anos. Em março, o humorista Kevin T. Porter prometeu doar dois dólares por cada história que as pessoas partilhassem sobre "a Ellen ser má". O tópico no Twitter recolheu milhares de respostas, tendo Porter validado 300, dois dias depois, embora com o argumento de que "é difícil dizer que histórias são reais ou não".

Algumas pessoas contaram histórias de alegados conhecidos, outros na primeira pessoa, por norma de gestos de arrogância ou de falta de empatia para com os desconhecidos, seus empregados ou não; outros responderam com humor, como por exemplo um utilizador que relatou que DeGeneres enfiou a cabeça de um empregado de mesa numa tigela de sopa quente.

Poucos dias depois, a Variety relatou que os empregados estavam "angustiados e indignados" porque os produtores executivos não terem comunicado nada sobre a situação laboral quando se deu o início da pandemia do coronavírus.

"As pessoas concentram-se em rumores sobre como a Ellen é má e tudo isso, mas o problema não é esse. O problema são esses três produtores executivos que dirigem o programa, que são os responsáveis por todos [e] que fazem a cultura e transmitem esse sentimento de intimidação e maldade", afirmou um ex-funcionário ao BuzzFeed.

Caridade para o espetáculo

O programa de Ellen DeGeneres, estreado em 2003 na NBC, construiu uma imagem sob o lema "sê bondoso", incluindo donativos para as mais variadas causas.

"Essa treta de 'ser bondoso' só acontece quando as câmaras estão ligadas. É tudo para o espetáculo", disse uma ex-funcionária à BuzzFeed. "Sei que eles dão dinheiro às pessoas e ajudam-nas, mas é para o espetáculo".

Ao BuzzFeed os antigos funcionários contaram terem sido despedidos após terem ficado de baixa uns dias ou terem viajado para assistirem a funerais de familiares.

Uma afro-americana afirmou estar farta de comentários sobre a sua raça, tendo abandonado o trabalho, tendo contado que quando foi contratada disseram sobre ela e uma colega: "Uau, ambas têm tranças. Espero que ninguém vos confunda."

Dando razão aos rumores sobre a sua personalidade, outros ex-funcionários disseram que receberam instruções para não falarem com DeGeneres se a vissem no escritório.

A maioria dos antigos empregados culpou os produtores executivos e outros gestores de topo pelo ambiente e condições de trabalho, mas uma antiga funcionária disse que, em última análise, é o nome da Ellen no programa, pelo que deve assumir a responsabilidade do que se passa.

"Se quer ter o seu próprio programa e ter o seu nome no título do programa, ela precisa de estar mais envolvida para ver o que se passa", disse. "Penso que os produtores executivos a rodeiam e dizem-lhe: 'As coisas estão a correr bem, todos estão felizes', e acredita nisso, mas é da sua responsabilidade ir além disso".

Numa declaração conjunta à BuzzFeed News, os produtores executivos Ed Glavin, Mary Connelly, e Andy Lassner disseram que levam as histórias dos ex-empregados "muito a sério" e afirmam que a gestão do dia a dia é da sua total responsabilidade, afastando Ellen das acusações.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG