Eleições no Reino Unido. Boris alerta para elevada participação do Labour

Os eleitores britânicos vão eleger 650 deputados numas eleições consideradas históricas e determinantes para o Brexit. O primeiro-ministro Boris Johnson chegou à mesa de voto na companhia do seu cão. Já Jeremy Corbyn, líder dos trabalhistas foi recebido por um Elmo, personagem da "Rua Sésamo".

As assembleias de voto abriram às 07:00 de quinta-feira, no Reino Unido para as eleições legislativas antecipadas, convocadas pelo governo e cruciais para o processo de saída do país da União Europeia (UE). A meio da tarde, o primeiro-ministro e líder conservador, Boris Johnson, enviou um email aos apoiantes a avisar que os trabalhistas estão a ir em massa votar e a apelar aos conservadores para fazerem o mesmo.

"Amigos, as nossas equipas no terreno estão a dizer que há uma forte participação do Labour. Já votaste? A tua família e amigos já votaram?", questiona o email enviado para os subscritores do site dos conservadores. "Amanhã de manhã o líder do pais vai entrar no número 10 [de Downing Street] e aplicar as suas políticas. Esse líder vou ser eu ou Jeremy Corbyn", acrescenta.

"Esta eleição vai ser decidida por um punhado de votos. Por isso garante que sair e votas nos conservadores", diz a mensagem, alertando que há só mais umas horas para garantir uma maioria.

Não há dados oficiais sobre a participação nas eleições no Reino Unido.

Líderes partidários já votaram

Boris Johnson exerceu o seu direito de voto na Methodist Central Hall, em Londres, na companhia do seu cão, Dilyn. No Reino Unido é tradicional levar o animal de estimação e depois publicar nas redes sociais, com a hashtag #dogsatpollingstations, isto é, cães nos locais de votação, que costuma ser sempre um dos mais usados no Twitter.

Nessa mesma rede social, o líder dos conservadores já lançou vários apelos ao voto para garantir o Brexit.

Curiosamente, Boris Johnson não votou nele próprio -- é candidato por Uxbridge e South Ruislip e votou na circunscrição das Cidades de Londres e Westminster.

Também Jeremy Corbyn, do Partido Trabalhista, e a líder do Partido Nacionalista Escocês (SNP, na sigla em inglês) e chefe do governo da Escócia, Nicola Sturgeon, já votaram.

Acompanhado pela mulher, Laura Alvarez, o líder do Partido Trabalhista votou em Londres e à chegada à sua mesa de foto foi recebido por uma eleitora mascarada de Elmo, personagem da série de TV infantil Rua Sésamo. Tentaram impedir que a mulher se aproximasse de Jeremy Corbyn, o que motivou uma discussão entre a manifestante e elementos da segurança pessoal do líder trabalhista. Perante a agitação, Corbyn pediu então aos envolvidos no incidente: "Podemos parar com as discussões, por favor?"

No Twitter, deixou uma mensagem: "Votem Labour. É isto. É este o tweet".

Já Sturgeon votou num centro comunitário de Broomhouse Park, em Glasgow, junto com o companheiro, Peter Murrell.

Jo Swinson, líder dos Liberais-Democratas, também já votou na escola primária de Castlehill, em Bearsden. Votou junto com o marido, Duncan Hames. "Cada voto nos Lib-Dem é um voto para parar o Brexit e parar o Boris e para um futuro mais brilhante", escreveu nas redes sociais.

O Partido Conservador do primeiro-ministro, Boris Johnson, vai tentar recuperar uma maioria absoluta, perdida devido a expulsões e deserções de deputados insatisfeitos com o rumo do Brexit e também devido ao desentendimento com o aliado Partido Democrata Unionista (DUP) da Irlanda do Norte.

No lado oposto, o Partido Trabalhista, de Jeremy Corbyn, lidera a oposição na tentativa de travar o acordo negociado por Johnson com Bruxelas para completar o processo de saída da UE até 31 de janeiro, prometendo renegociar os termos e submeter o resultado a referendo.

Pacote suspeito

Perto de uma das mesas de voto, em North Lanarkshire, Escócia, foi encontrado um pacote suspeito. A polícia realizou uma explosão controlada e o pacote, localizado no edifício Glen Tower, foi eliminado.

Os eleitores que deveriam votar naquele local foram reencaminhados para outra mesa de voto e foi iniciada uma investigação. A polícia escocesa revelou, mais tarde, que deteve na cidade de Motherwell um homem, de 48 anos, suspeito de estar ligado ao pacote encontrado.

Longas filas

As primeiras horas destas eleições históricas registam filas em várias assembleias de voto no Reino Unido, como mostram várias publicações de eleitores nas redes sociais. Muitas pessoas optam por votar antes de ir trabalhar.

No sudeste de Londres, em Bermondsey, o rebentamento de uma conduta de água está a dificultar o acesso dos eleitores à mesa de voto. "Ninguém foi impedido de votar", garantiu um representante do município de Southwark, citado pelo The Guardian .

Os eleitores britânicos têm até às 22:00 (mesma hora em Lisboa) para eleger 650 deputados.

Uma sondagem feita à boca das urnas em comum para as três principais televisões britânicas BBC, ITV e Sky News será divulgada a essa hora, quando o processo de contagem dos votos vai começar, mas os principais resultados só são esperados durante a madrugada de sexta-feira.

Desde 1923 que o Reino Unido não realizava eleições nacionais no mês de dezembro, quando os dias são mais curtos, frios e húmidos devido ao inverno.

Em atualização

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG