É preciso "disparar nas vaginas" das guerrilheiras comunistas

Declarações foram feitas pelo presidente filipino numa reunião com ex-militantes do Novo Exército do Povo

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, disse hoje que é preciso "disparar na vagina" das mulheres que fazem parte do grupo guerrilheiro Novo Exército do Povo, um comentário que está a ser condenado por várias organizações internacionais e locais.

"Digam aos soldados que há uma nova ordem: 'Não te mataremos, iremos disparar-te na vagina'", disse Duterte numa reunião com ex-militantes do Novo Exército do Povo (NEP), um grupo comunista considerado "terrorista" pelos EUA e pela União Europeia.

Duterte referia-se às guerrilheiras do Novo Exército do Povo, ativo no arquipélago.

O chefe de Estado filipino referiu-se às militantes do NEP no passado dia 07 de fevereiro, mas a transcrição oficial da reunião só foi conhecida hoje.

Na mesma reunião Duterte acrescentou que as militantes do NEP "sem vagina, seriam inúteis", um comentário qualificado de "misógino" pela Human Rights Watch e várias organizações não-governamentais filipinas.

Duterte "está a incitar as forças governamentais a cometer atos de violência sexual em conflitos armados, o que constitui uma violação do direito humanitário internacional", alerta a Human Rigths Watch.

A organização feminista filipina "Gabriela" disse através de um comunicado que Duterte "fomenta abertamente a violência contra as mulheres, contribui para a impunidade e assume-se como o 'macho fascista' mais perigoso do governo, neste momento".

O presidente das filipinas, de 72 anos, já fez no passado vários comentários públicos considerados sexistas, misóginos e depreciativos em relação às mulheres.

Em junho de 2016, antes de assumir o cargo de chefe de Estado, Duterte foi fortemente criticado por ter contado uma "anedota" sobre uma freira australiana violada e assassinada num motim prisional e, mais recentemente, afirmou que "está disposto a oferecer 42 virgens" a cada turista que visitar as Filipinas.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.