Drone britânico interrompeu execução pública do Estado Islâmico

Aparelho da Força Aérea britânica abateu um sentinela, o que levou a multidão a dispersar

Um drone da Força Aérea britânica interrompeu, na passada semana, uma execução pública do Estado Islâmico na cidade de Abu Kamal, no leste da Síria, já próximo da fronteira com o Iraque.De

acordo com informação avançada pelo Ministério da Defesa, citado pelo jornal The Guardian, uma equipa que estava a monitorizar a região apercebeu-se, a 9 de maio último, que uma multidão se estava a juntar numa das principais ruas da cidade.

"Dois prisioneiros algemados foram retirados de uma viatura, em frente à multidão, e tornou-se claro que o Daesh estava a organizar uma execução pública", adiantaram as autoridades britânicas, acrescentando que, face à impossibilidade de disparar sobre os terroristas que se preparavam para levar a cabo a execução, dada a presença de muitos civis, o drone disparou sobre um sentinela que se encontrava num telhado.

De acordo com o ministério a ação provocou a morte do homem e a fuga dos restantes membros do Estado Islâmico que se encontravam no local e levou a multidão a dispersar. A informação disponibilizada não esclarece, no entanto, qual o destino dos dois prisioneiros.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.