Guia Supremo do Irão diz que Trump fez discurso de "gangster" na ONU

Acrescentou que "as declarações feitas pelo Presidente dos EUA não são gloriosas para a nação americana"

O guia supremo da República Islâmica do Irão, o ayatollah Ali Khamenei, qualificou esta quinta-feira de "linguagem de cowboy e de gangster" a violenta crítica na ONU do presidente norte-americano, Donald Trump, contra Teerão.

"O discurso insensato e extremamente ameaçador, insolente e confuso do presidente dos Estados Unidos com a sua linguagem de cowboy e de gangster explica-se pelo ódio" e a "incompetência (dos responsáveis do governo norte-americano que). Não têm bom senso", declarou Ali Khamenei, numa mensagem acessível no seu site.

"As declarações feitas pelo Presidente dos EUA não são gloriosas para a nação americana e a elite deste país devia ter vergonha de ter um tal presidente e das suas observações", adiantou, num discurso perante a Assembleia dos Peritos, órgão que detém o poder de nomear e destituir o Supremo Líder do Irão.

Falando na terça-feira na Assembleia-Geral das Nações Unidas em Nova Iorque, Trump classificou o governo do Irão de "regime imprudente" que dirige um "estado pária esgotado economicamente", cuja principal exportação é "violência, derramamento de sangue e caos".

O Irão e os Estados Unidos não têm relações diplomáticas desde 1980. O ambiente entre os dois países melhorou durante o segundo mandato do presidente Barack Obama (2013-2017), mas a chegada ao poder de Donald Trump reavivou as tensões.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.