Caixotes do lixo a arder e feridos nas ruas de Barcelona pela quarta noite

Tumultos voltam a marcar a noite na capital catalã. Esta sexta-feira é dia de greve geral.

É o quarto dia de protestos na Catalunha, desde que o Supremo Tribunal espanhol decidiu condenar a penas de prisão entre os 9 e os 13 anos os políticos catalães responsáveis pela tentativa de independência em outubro de 2017. Em Barcelona, na capital catalã, a atmosfera começou por ser festiva, mas os confrontos entre independentistas e manifestantes da extrema-direita viriam a obrigar a intervenção policial. À medida que a noite avança, os distúrbios intensificam-se. Até à meia-noite, 18 pessoas receberam assistência médica (14 em Barcelona e quatro em Girona).

Segundo a imprensa espanhola, milhares de manifestantes independentistas concentraram-se ao fim da tarde no bairro de Gràcia, em Barcelona, impedindo o tráfego rodoviário em vários pontos da cidade.

Os confrontos tiveram início ao princípio da noite, obrigando a intervenção policial. Na praça Artós, conta o El País, os Mossos D'Esquadra viram-se obrigados a separar dezenas de elementos da esquerda radical independentistas de um grupo de extrema-direita espanhola. "Sou espanhol, espanhol", ouvia-se entre os manifestantes, que carregavam bandeiras do país.

Na Rambla da Catalunha, os manifestantes de extrema-direita e de extrema-esquerda encontraram-se, atirando garrafas e outros objetos uns aos outros. Segundo o El País, um jovem foi brutalmente agredido por parte dos radicais que defendem a unidade de Espanha.

E o fogo voltou a tomar conta das ruas de Barcelona. Embora a situação não atingido as proporções da noite anterior, vários caixotes do lixo foram queimados. Os bombeiros tentam apagar vários pequenos fogos que grupos de jovens encapuçados atearam com cadeiras e mesas das esplanadas de cafés e restaurantes. Em alguns casos, eram os próprios habitantes dos prédios adjacentes que atiravam água para apagar os incêndios.

Em Girona, os ânimos também já se exaltaram, com os manifestantes, na sua maioria adolescentes, a atirar uma garrafa de vidro contra a polícia.

Ao quarto de dia de manifestações, o CDR, que convocou as ações, distribuiu um manual de "legítima autodefesa" pelos manifestantes. Segundo a câmara Barcelona, citada pelo El Mundo, cerca de 13 mil pessoas assistiram à manifestação agendada para esta tarde. Apesar da confusão, a quarta noite de distúrbios na Catalunha parece não ter as proporções das noites anteriores, mas ainda é incerto como é que o dia vai acabar.

À medida que a noite vai avançando, a tensão parece estar a aumentar. De acordo com a informação partilhada pelos Mossos no Twitter, os manifestantes entraram à força num banco e numa loja de roupa. "Os incidentes continuam. Não cheguem perto da zona", avisaram as autoridades.

Nas ruas, diz a Europa Press, os manifestantes atiram objetos, foguetes e cocktails molotov contra as forças de segurança.

Nas últimas horas, um grupo de manifestantes independentistas aproximou-se da Delegação do Governo em Barcelona.

As Marchas pela Liberdade prosseguiram durante esta quinta-feira, com destino ao centro de Barcelona. São cinco e partiram de Girona, Vic (Barcelona), Berga (Barcelona), Tàrrega (Leda) e Tarragona. Devem chegar a Barcelona esta sexta-feira, dia de greve geral pelos "direitos e liberdades dos trabalhadores", marcada pela Confederação Sindical Catalã (CSC) e pela Intersindical Alternativa de Catalunha (IAC).

Os protestos começaram na segunda-feira, depois de ser conhecida a sentença contra os políticos da Catalunha responsáveis pela tentativa de independência, levada a cabo em outubro de 2017. Nove deles foram condenados a penas até 13 anos de prisão por delitos de sedição e peculato.

Após ser anunciada a sentença, os independentistas procederam aos cortes de estradas e de vias de caminho-de-ferro um pouco por toda a Catalunha.

Segundos dados do Ministério do Interior, citados pelo El País, a polícia deteve 97 pessoas desde o início dos protestos. De acordo com a mesma fonte, três pessoas permanecem hospitalizadas.

Na noite de segunda-feira houve manifestações em redor do aeroporto internacional de Barcelona seguidas de ações de grupo violentos e na noite seguinte a mobilização mudou-se para o centro de Barcelona, onde voltou a haver distúrbios.

Segundo o jornal espanhol, foram cancelados 42 voos com origem e destino a Barcelona.

Notícia atualizada às 23.20

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...