Do Boca Mole ao Todo Feio: investigadores da Lava-Jato sofrem para decifrar alcunhas

Quem é o Grisalhão, o Encostado ou o Casa de Doido? Parte dos nomes de código que a construtora Odebrecht atribuía aos políticos que corrompia continua a ser um mistério. Mas ao mesmo tempo é motivo de gozo na internet

A Operação Lava-Jato, que investiga o multimilionário escândalo de corrupção na Petrobras, continua a tarefa de acusar centenas de políticos corrompidos pela construtora Odebrecht, que tinha uma lista enorme com nomes de código para cada um deles. Uma tarefa dramática, no essencial, mas com episódios cómicos, pelo meio. Por exemplo, nas últimas semanas a polícia e o Ministério Público tentam fazer corresponder alcunhas como Grisalhão, Encostado, Casa de Doido ou Cabeça Chata ao político que melhor encaixe na definição.

A lista da Odebrecht foi descoberta em março, no âmbito da 23.ª fase da Lava-Jato, batizada de Operação Acarajé, na qual oito pessoas foram detidas. Entre elas, Maria Lúcia Tavares, uma funcionária do departamento de Operações Estruturadas da construtora que resolveu colaborar com a justiça. A partir daí percebeu-se que o departamento de Operações Estruturadas, com direito a chefias, hierarquias, orçamentos, objetivos e planos não passava de um setor de gestão de subornos. Nesse setor, revelou Maria Lúcia, havia uma detalhada lista com centenas de nomes de código.

Boa parte deles foi imediatamente decifrada graças às delações de membros do departamento ou por causa das anotações anexas ao lado do nome código - normalmente, a descrição da obra da Petrobras a que se referia o pagamento e a verba, na ordem das dezenas de milhões de reais, entregue ao parlamentar que se encarregaria de favorecer a construtora na obtenção dessa obra.

Romero Jucá, presidente do Partido do Movimento Democrático brasileiro (PMDB) e ministro do Planeamento demitido logo em maio por envolvimento no escândalo da Lava-Jato e destino segundo os delatores de 22 milhões de reais, era o Cajú, numa inversão das sílabas do seu nome. O presidente do Senado, Renan Calheiros, também do PMDB, que exerceu cargo de ministro da Justiça no governo de Fernando Henrique Cardoso, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), o Justiça. E Eunício Oliveira, ainda do PMDB, o Índio. No núcleo do partido do presidente Michel Temer (PMDB), Geddel Vieira Lima (PMDB), ministro demitido por tráfico de influência, era o Babel, e Eliseu Padilha (PMDB), atual titular da Casa Civil e encarregado, segundo a investigação de transferir dez milhões de reais para Temer, o Primo.

Para gozo de quem consulta a lista na internet, há também referências ao estilo de vida, à forma de vestir, a características físicas, ao clube de futebol preferido, ao carro do suposto corrupto ou meros trocadilhos, como em Las Vegas, Polo, Campari (para um parlamentar de nome Gim), Botafogo, Misericórdia, Ferrari, Gripado (para um político de nome Agripino), Caranguejo, Goleiro, Gremista, Missa (para um deputado chamado Aleluia), Eva (para um político de nome Adão), Boca Mole, Ovo (para um suspeito chamado Colombo), Velhinho, Decrépito (para um senador octogenário) ou Todo Feio.

Aliás, Inaldo Leitão, do Partido Liberal, o Todo Feio, indignou-se menos por ter sido citado num esquema de corrupção do que pela alcunha que lhe tocou. "Outra coisa de que não gostei nessa delação foi o nome de código Todo Feio, não é bem assim, né?", comentou na sua página no Facebook. Mais tarde disse que alcunharia o delator de Todo Horroroso ou de Todo Mentiroso.

Será Lula o Amigo?

Entre os políticos de topo, há alcunhas que a polícia federal suspeita que pertençam ao ex-presidente Lula da Silva, como Amigo ou Brahma, divindade hindu mas também marca de cerveja, ao presidente do PSDB e natural de Minas Gerais Aécio Neves, o Mineirinho, ou ao governador de São Paulo e fervoroso católico, Geraldo Alckmin, também do PSDB, chamado de Santo.

Mas o que intriga os investigadores da operação Lava-Jato, porque nenhum delator, por enquanto, se referiu especificamente a eles e a obra ou serviço pelo qual segundo a tabela foram pagos não permite detetar de quem se trata, são o Grisalhão, o Baixinho, o Comprido ou o Cabeça Chata, todos com referências físicas. Também não se sabe quem será o Abelha ou o Faisão, ambos com alcunha animal, o Flamenguista ou o Timão, que se presume pertençam a adeptos dos clubes Flamengo e Corinthians, além dos também enigmáticos Bobão, Padeiro, Encostado, Duvidoso ou Casa de Doido. O sucesso da Lava-Jato também depende da resolução deste inusitado quebra-cabeças.

Em São Paulo

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.