Dívida de gratidão. Novo cardeal luxemburguês escolhe passar a reforma no Algarve

Jean-Claude Hollerich, de 61 anos, é um dos 13 cardeais que vão ser oficialmente criados pelo Papa Francisco a 5 de outubro. Diz que descobriu Portugal através dos portugueses que vivem no Luxemburgo e quer passar a sua reforma no Algarve

Quando soube, este domingo, que era um dos 13 novos cardeais nomeados pelo Papa Francisco, Jean-Claude Hollerich estava no Algarve. Onde se encontra a passar férias. Aí comprou um apartamento, numa pequena aldeia. Aí quer passar a sua reforma.

"Estava a sair da missa dominical no Algarve quando verifiquei que tinha muitas mensagens de felicitações no meu telemóvel. Vi uma mensagem de uma amiga de Itália que me chamava de "Eminência". Não percebia a razão destas felicitações. Pesquisei na Internet e foi assim que vi que tinha sido nomeado cardeal", contou o arcebispo do Luxemburgo, em entrevista à Rádio Latina.

"Adoro Portugal. Descobri Portugal através dos portugueses no Luxemburgo. Encontrei uma gentileza e abertura tamanhas, que me interessei pelo seu país. Pensei que teria de ter alguma coisa para, se Deus me permitir chegar à idade da reforma. Como sabe os preços são muito caros no Luxemburgo, então escolhi Portugal. Estou aqui no Algarve, numa pequena aldeia [cujo nome não quer revelar] e é maravilhoso", revelou o religioso, de 61 anos.

Sobre a razão de ter escolhido o Algarve, explicou ser também uma espécie de dívida de gratidão para com os portugueses e aquilo que os emigrantes lusos fizeram pelo Luxemburgo: "Já tinha passado férias no Algarve com estudantes japoneses e com os meus pais e sempre gostei. Aprecio sobretudo as pequenas aldeias em detrimento dos grandes centros. Aqui sinto-me à vontade, mas também gosto do resto de Portugal. Já fui à Figueira da Foz, a Lisboa ou ainda ao Porto. Uma vila como Nazaré, por exemplo, é magnífica. Tenho um grande amor pela cultura portuguesa. E estou contente porque creio que, nós luxemburgueses, temos uma dívida de gratidão para com todos os portugueses que vieram trabalhar para o Luxemburgo."

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG