Detido marroquino suspeito de espancar e violar portuguesa em Barcelona

A polícia mostrou fotografias do suspeito à vítima, que o reconheceu de imediato. Ao que tudo indica, o autor das agressões não conhecia a mulher.

Um homem marroquino, de 32 anos, é suspeito de ter espancado e violado uma cidadã portuguesa, de 37 anos, esta sexta-feira, à porta do Museu Marítimo de Barcelona, em Espanha. De acordo com o jornal La Vanguardia, o homem, que entretanto foi detido, estava há uma semana na cidade e já tinha historial de desacatos com as autoridades.

O homem é suspeito de uma agressão muito violenta. Segundo as autoridades, o atacante terá arrancado parte de uma orelha da vítima, que apresentava ainda o lábio aberto, um braço partido e vários hematomas no corpo.

De acordo com o diário espanhol, a polícia encontrou o homem com as calças manchadas de sangue por volta das 10:00 e levou-o até à esquadra. Aí, as autoridades viram que o homem tinha algumas peças de roupa que coincidiam com aquelas que foram encontradas no local da violação.

A vítima, que se encontra internada no Hospital Clínic, em Barcelona, não tinha conseguido fazer uma descrição do agressor, mas reconheceu de imediato o alegado violador, quando lhe mostraram as fotografias do homem, o que conduziu à sua detenção e à acusação de violação.

Residente em Barcelona, a mulher foi encontrada por funcionários da limpeza do museu ao início da madrugada de sexta-feira.

Uma testemunha terá dito aos investigadores que viu um casal português a discutir durante a madrugada, naquela mesma rua, pelo que a polícia não descartava o facto de a portuguesa agredida não só conhecer como já ter tido uma relação com o agressor. No entanto, tudo indica que o suspeito não conhecia nem tinha qualquer ligação com a vítima.

Há sete dias em Barcelona, o homem não tinha residência nem trabalho.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.