Detidas 62 pessoas no sul de Itália ligadas a redes de crime organizado

Operação terá anulado por completo duas importantes redes que operavam em Palermo. Dois históricos da máfia siciliana entre os detidos

A polícia militarizada italiana desmantelou hoje dois grupos de crime organizado de Palermo e deteve 62 pessoas, incluindo os respetivos líderes, dois idosos considerados antigos expoentes da máfia local "Cosa Nostra".

A operação teve lugar esta madrugada e contou com centenas de agentes, informou a imprensa local.

Todos os detidos estão acusados, entre outras coisas, de associação mafiosa, extorsão, ocultação e posse ilegal de armas.

Fontes citadas pelos meios de comunicação italianos afirmaram que a operação anulou por completo duas importantes redes que operavam na capital siciliana e que estavam a reorganizar a "Cosa Nostra", aparentemente debilitada por detenções realizadas recentemente.

O comandante da polícia, Giuseppe Governatore, disse à televisão SkyTg24 que as autoridades tinham infligido "um golpe muito duro" contra o crime organizado daquela cidade.

Entre os detidos estão dois históricos da máfia siciliana: Mario Marchese, de 77 anos, e Gregorio Agrigento, de 81 anos.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.