Deputado do partido de Bolsonaro quer adolescentes a trabalhar a partir dos 12

Delegado Waldir, líder parlamentar do PSL, defende que "escola é importante mas eles precisam aprender uma atividade física". Na véspera, estivera no Congresso com coldre à cintura mas sem arma

"Escola é importante, mas eles precisam aprender uma atividade física", disse o deputado Waldir Soares de Oliveira, também conhecido como Delegado Waldir, líder parlamentar do PSL, o partido do presidente Jair Bolsonaro. Waldir falava durante uma audiência à ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos Damares Alves, na quarta-feira já ao início da noite, em Portugal.

"Porque estamos tendo muita morte de adolescentes e crianças. Eles precisam trabalhar. A partir dos 12 anos precisam ter uma atividade profissional. Não podem ficar mais. A escola é importante, mas eles precisam aprender uma atividade física", foi o raciocínio completo de Delegado Waldir, que já na véspera havia sido notado na Câmara dos Deputados depois de um colega ter denunciado que ele estava a armado na sessão. Waldir, no entanto, provou que estava de coldre à cintura mas sem arma.

A proposta contraria o Estatuto da Criança e do Adolescente, que só permite trabalhos como aprendiz a partir dos 14 anos. Outros tipos de contratação são permitidos depois 16 anos.

Na mesma audiência, o líder do PSL ainda sugeriu que o termo "direitos humanos" fosse retirado do nome do ministério de Damares. "Temos que mudar o nome do ministério de Direitos Humanos [...] não temos que falar em direitos humanos, temos que falar em ministério de direitos de cidadão. A prioridade do Brasil tem que ser o combate à corrupção [...] precisamos economizar para tratar os miseráveis".

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.