Deputado conservador expulso após voto do Brexit junta-se aos lib-dem e critica Boris

Sam Gyimah foi secretário de Estado para as Universidades, Ciência e Inovação. Anunciou que aderiu ao partido de Joe Swinson no início da conferência anual dos Liberais-Democratas.

O deputado Sam Gyimah, um dos 21 conservadores que se rebelou contra o governo e votou para impedir um Brexit sem acordo, anunciou este sábado a adesão aos Liberais-Democratas. É o sexto deputado a seguir este caminho.

O eleito por East Surrey, que foi secretário de Estado para as Universidades, Ciência e Inovação até dezembro e saiu em desacordo com Theresa May, acusou o primeiro-ministro, Boris Johnson, de estar a virar-se para o "populismo e o nacionalismo inglês", numa entrevista exclusiva com o Observer. Gyimah, de 43 anos, chegou ainda a ser candidato à sucessão de May à frente do Partido Conservador.

"Acho que provavelmente vou passar os próximos dias a dizer 'Sam Gyimah, deputado liberal-democrata' e acostumar-me a isso primeiro", disse ao jornal. "Existe um lado emocional enorme. Estive envolvido com o Partido Conservador durante duas décadas. Lutei pelo partido. Passei muito tempo a evangelizar sobre o porquê de as pessoas deverem olhar para o Partido Conservador de forma séria. É triste encontrar-me numa encruzilhada. Sou um pária no Partido Conservador. Mas é isso o Brexit. Dividiu as famílias. O país está dividido. Existe uma enorme falha", afirmou.

Gyimah foi um dos 21 deputados expulsos por Johnson depois de se terem rebelado contra o primeiro-ministro e votado com a oposição para impedir um Brexit sem acordo.

Em relação aos liberais-democratas, considera que são "a alternativa positiva e de esperança que o país precisa".

O anúncio surge no primeiro dia da conferência anual dos lib-dem, que decorre em Bournemouth. É a primeira reunião do género da nova líder, Jo Swinson.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.