Da Holanda para o Alentejo para fazer queijo gouda e ajudar os outros

Decidiram pedir ajuda a um holandês que conheciam na zona de Montemor. Foi ele que lhes mostrou a Courela da Ponte Velha. Foi amor à primeira vista. Estávamos em 1987 e nos primeiros tempos, além da dificuldade com o português - "para pedir ovos fazia "cocorocó!"", diz Elisabeth -, os habitantes de Lavre estranharam a chegada destes estrangeiros

Foi no dia 25 de abril de 1974 que Jan e Elisabeth Anema receberam a chave da sua primeira quinta na Holanda. Ele, filho de um dentista formado em Arquitetura paisagística e com um passado de militante antimilitarista, e ela, hippie que deixara a Nova Era e tirara o curso de Assistente Social, não tinham qualquer experiência do que era gerir uma vacaria e produzir queijo. Mas lançaram-se à aventura. Pela rádio ficaram a saber que em Portugal houvera um golpe de Estado. Para Jan, foi o fim das atividades políticas. "Havia a guerra do Vietname e quando acabou a atenção foi para a guerra colonial em África. Essa terminou com o 25 de Abril em Portugal. Pensei, pronto, agora já não há causas muito quentes para combater. E podia dedicar-me a esta nova área."

Hippies típicos dos anos 60, tirando a parte das drogas em que ambos garantem nunca ter tocado - "nem fumávamos cigarros!" -, Jan e Elisabeth nunca tinham pensado muito em Portugal. Nem para vir de férias. "Se era para emigrar era para um país nórdico", diz ele. "E aquele ambiente de praia, do Sul de Espanha e Sul de Portugal, não era para nós", termina ela.

Sentado na cozinha da sua casa na Quinta Anema, entre Montemor-o-Novo e Lavre, o casal de holandeses recorda as dificuldades que encontraram nos primeiros tempos como agricultores e como nasceu o sonho de conciliar a vida na quinta com a ajuda aos outros. "Houve pessoas que nos bateram à porta com problemas graves e eu pensei que não tinha paciência nem tempo. E pensei que Deus me ajude! Mas não sabia quem era Deus", conta Elisabeth. Não sabia mas foi estudar. Cética, confessa, foi ler a Bíblia e descobriu que a religião era bem mais do que ir à missa. E claro, falou com Jan que acabou por se interessar e por descobrir "uma mensagem de redenção".

Isso afetou o seu trabalho, mas a quinta na Holanda, em terreno protegido, não tinha condições para receber quem precisava. Por isso decidiram mudar-se. E foi assim que descobriram uma quinta no Norte de Portugal que fazia o que eles queriam: aliar a vida no campo ao apoio social. "O ambiente de agricultura é ideal para quem tem problemas: a paz, o silêncio, o ritmo de cada dia, cansaço, regularidade. É a receita ideal para pessoas cansadas, stressadas e depressivas...", explica Elisabeth.

A primeira vinda a Portugal foi o batismo de voo da família - Jan, Elisabeth e os filhos, Wigle-Jan, Julie e Johannes, o Joãozinho, com idades entre os 9 e os 3 anos. "Nós éramos aquelas pessoas que andavam à boleia ou numa Citroën 2 Cavalos antiga", ri-se Elisabeth.

No Norte o projeto não avançou. E com a quinta na Holanda já vendida, os Anema decidiram pedir ajuda a um holandês que conheciam na zona de Montemor. Foi ele que lhes mostrou a Courela da Ponte Velha, onde fica a quinta Anema. Foi amor à primeira vista. Estávamos em 1987 e nos primeiros tempos, além da dificuldade com o português - "para pedir ovos fazia "cocorocó!"", diz Elisabeth - ,os habitantes de Lavre (hoje com pouco mais de 700 habitantes) estranharam a chegada destes estrangeiros. Mas rapidamente os receberam de braços abertos. Elisabeth recorda o dia em que duas vizinhas vieram à quinta "uma com um saco de batatas à cabeça e outra com um saco de bolos para nos ajudar. Para mim foi chegar a casa".

Durante dez anos trabalharam na reintegração de toxicodependentes, primeiro com a associação REMAR, depois com o seu próprio centro, o SERVO. Nos últimos anos receberam ex-reclusos. E um dia perceberam que tinham de mudar de rumo. Recuperaram a quinta e hoje dividem o tempo entre os programas de prevenção e apoio a jovens "com estilos de vida não saudáveis", a receção de grupos de crianças de escolas e instituições para o programa de Escola Viva, o cuidados das vacas e a produção de queijo gouda "alentejano".

Sair de Portugal não está nos planos, até porque dois filhos vivem por cá. Julie, essa, seguiu os passos dos pais. "Quando era mais pequena costumava dizer que nunca casaria com um toxicodependente ou com um vaqueiro. Casou com um vaqueiro", conta Elisabeth. Hoje, tem uma quinta com mais de 500 vacas no "Alentejo americano": o estado do Iowa.

Na Quinta Anema, Jan aponta para os queijos que vende em Lavre, Montemor, Évora ou nas lojas gourmet de Lisboa: "Estes foram feitos hoje", explica. E, para se adaptar ao gosto dos portugueses, os Anema até fazem queijos que na Holanda "ninguém comeria". Mais duros e de sabor mais forte.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG