Corpo de Franco exumado na quinta-feira. Restos mortais serão trasladados para cemitério

Restos mortais do ditador espanhol serão trasladados na quinta-feira da Basílica do Vale dos Caídos para o cemitério Pardo, nos subúrbios da capital espanhola. Processo vai ser realizado em condições de "dignidade e respeito".

Os restos mortais do ditador espanhol Francisco Franco serão trasladados na quinta-feira da Basílica do Vale dos Caídos, em Madrid, para o cemitério Pardo, nos subúrbios da capital espanhola, anunciou esta segunda-feira o Governo de Espanha.

Em comunicado, o executivo espanhol adianta que na quinta-feira às 10:30 será feita a exumação e trasladação dos restos mortais de Francisco Franco, salientando que o processo vai ser realizado em condições de "dignidade e respeito" e contará com a presença da família do ditador.

Após a exumação, os restos mortais serão trasladados para o cemitério de El Pardo-Mingorrubio, onde a viúva de Franco, Carmen Polo, está enterrada.

Tanto a exumação como a trasladação serão realizadas em privacidade, na presença dos seus familiares, e durante o processo de transferência e no funeral de Franco estará presente a ministra da Justiça em exercício, Dolores Delgado.

Na nota, o executivo lembra que "desde o início do processo o Governo defendeu que os restos mortais do ditador não poderiam continuar num mausoléu público que exaltaria sua figura, algo expressamente proibido pela Lei da Memória Histórica".

Da mesma forma, enfatiza a decisão "firme e unânime" do Supremo Tribunal de 30 de setembro passado que "encerrou o processo administrativo-contencioso instaurado pela família para tentar impedir a sua saída do Vale dos Caídos".

O Parlamento espanhol aprovou em setembro último a proposta do Governo socialista a autorizar a exumação dos restos mortais do ditador.

Francisco Franco Bahamonde foi um militar espanhol que integrou o golpe de Estado que, em 1936, marcou o início da Guerra Civil Espanhola, tendo exercido desde 1938 o lugar de chefe de Estado num regime de ditadura, até morrer em 1975, ano em que se iniciou a transição do país para um sistema democrático.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.