Coreia do Norte pressiona Estados Unidos. "Escolham o presente de Natal"

"Têm pouco tempo para salvar as negociações sobre o programa nuclear", avisa a Coreia do Norte. Washington, diz a Coreia, deve escolher que "presente de Natal" que quer receber de Pyongyang.

Em escalada de pressão sobre os Estados Unidos, a Coreia do Norte dramatiza. O aviso, atribuído a um diplomata norte-coreano, surge num momento em que Pyongyang continua a aumentar a pressão sobre a administração do Presidente norte-americano, Donald Trump, e sobre o Governo sul-coreano, à medida que se aproxima o prazo do final do ano para que os Estados Unidos proponham os termos de um acordo mutuamente aceitável para todas as partes.

As negociações estão num impasse desde a cimeira de fevereiro, entre o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e Donald Trump, que terminou sem acordo e depois de Washington ter rejeitado as exigências de Pyongyang relativas a um abrandamento das sanções económicas em troca de uma "rendição" parcial das capacidades nucleares do Norte.

Reuniões de trabalho realizadas em outubro, na Suécia, terminaram devido aquilo que os norte-coreanos descreveram como "a velha posição e atitude" dos norte-americanos.

Um vice-ministro dos Negócios Estrangeiros norte-coreano encarregado das questões norte-americanas, Ri Thae Song, acusou os negociadores norte-americanos de repetirem propostas de negociações destinadas apenas a ganhar tempo, sem proporem quaisquer soluções reais.

Ri Thae Song reiterou a anterior posição e declarações da Coreia do Norte de que o país só continuará com a diplomacia nuclear, se obtiver algo substancial em troca.

"O diálogo elogiado pelos Estados Unidos não representa nada e é apenas um truque para manter a República Popular Democrática da Coreia presa ao diálogo, usado em favor da situação política e das eleições nos Estados Unidos", afirmou Ri, de acordo com a imprensa oficial norte-coreana.

"O que resta é uma opção dos Estados Unidos e cabe aos Estados Unidos escolher que presente de Natal podem receber", acrescentou.

Kim tinha afirmado já que vai procurar "um novo caminho" se Washington mantiver as sanções e a pressão. O Norte realizou vários testes de sistemas de mísseis nos últimos meses, o que peritos consideraram alargar potencialmente a capacidade para atacar alvos na Coreia do Sul e no Japão.

Por outro lado, o regime norte-coreano ameaçou também suspender a moratória sobre mísseis de longo alcance e retomar os lançamentos sobre o Japão.

Kim e Trump trocaram insultos e ameaças bélicas em 2017, quando a Coreia do Norte efetuou vários testes nucleares e de mísseis, mas os dois líderes afirmaram manter boas relações pessoais desde que iniciaram os seus encontros em 2018.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...