Conte promete "mudança radical" em Itália

Primeiro-ministro italiano discursa no Senado defendendo redução da dívida pública, mas sem recorrer à austeridade

"Hoje, estamos diante de vocês para vos pedir a confiança não só numa equipa de governo, mas também num projeto para a mudança de Itália", disse o novo primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, num discurso no Senado. "A verdade é que criámos uma mudança radical e estamos orgulhosos disso", acrescentou, defendendo que Itália deve reduzir a sua enorme dívida pública, mas através do crescimento e não recorrendo a medidas de austeridade.

"Nós queremos reduzir a dívida pública, mas queremos fazê-lo com o crescimento e não através de medidas de austeridade", afirmou diante dos senadores. A coligação de governo, formada pelo Movimento 5 Estrelas (M5E, antissistema) e a Liga Norte (extrema-direita) conta com uma maioria de dez votos no Senado e ainda maior no Congresso dos Deputados, onde amanhã haverá um novo voto de confiança.

Conte, um professor de Direito de 53 anos, discursou ao lado dos dois vice-presidentes: o líder do M5E e ministro do Trabalho e Indústria, Luigi di Maio, e o líder da Liga Norte, Matteo Salvini, que ficou também com a pasta do Interior.

"As forças políticas que formam este governo têm sido acusadas de ser 'populistas' e 'antissistema'. Se 'populismo' significa que a classe governante ouve as necessidades das pessoas e se 'antissistema' significa querer introduzir um novo sistema, que remove velhos privilégios e poder incrustado, então estas forças políticas merecem ambos os epítetos", referiu.

A dívida pública italiana é a segunda maior da zona euro, depois da grega. "É hoje totalmente sustentável, mas deve contudo ser reduzida, numa perspetiva de crescimento económico", referiu o novo primeiro-ministro, alegando que é preciso reduzir a diferença de crescimento entre a Itália e a Europa. "É o nosso objetivo."

A Europa é a nossa casa

"A Europa é a nossa casa", assegurou ainda Conte, que lidera a coligação que quer também melhorar as relações com a Rússia. O primeiro-ministro defendeu "uma Europa mais forte, mas também mais justa". Na sua opinião, as regras fiscais que gerem a zona euro devem ter como objetivo "ajudar os cidadãos", uma discussão que Itália quer liderar.

Conte indicou que a prioridade do governo será a introdução de um novo rendimento universal para os mais necessitados, uma das promessas eleitorais do M5E, assim como travar a entrada irregular de migrantes, uma promessa da Liga. Conte disse que quer acabar com "o negócio da imigração, que cresceu fora de proporção, sob o mando da falsa solidariedade. Antes , Salvini defendera que a Itália vai deixar de ser "o campo de refugiados da Europa".

Depois de garantir os votos de confiança, Conte irá viajar para o primeiro compromisso internacional:a cimeira do G7 no Canadá, que começa na sexta-feira.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG