Congresso dos EUA exige a Trump fim do envolvimento militar no Iémen

O Congresso norte-americano aprovou esta quinta-feira uma resolução que exorta Donald Trump a terminar o apoio à coligação militar saudita que intervém no Iémen, e que deverá implicar um veto do presidente dos EUA.

Esta foi a primeira vez na sua história que o Congresso dos Estados Unidos aprovou um voto destinado a limitar os poderes presidenciais em termos de envolvimento militar no estrangeiro.

"Hoje erguemo-nos claramente contra a guerra e a fome, e a favor dos poderes militares do Congresso, ao votar pelo fim da nossa cumplicidade na guerra do Iémen", reagiu o senador independente Bernie Sanders, candidato às primárias democratas e autor da resolução.

A Câmara dos Representantes, com maioria do Partido Democrata, aprovou o texto (247 votos contra 175), que já tinha sido legitimado pelo Senado, controlado pelos republicanos.

Pelo menos 15 eleitos republicanos da Câmara aprovaram a proposta de lei, num revés particularmente humilhante para o Presidente Donald Trump, que deverá impor o seu direito de veto presidencial para bloquear uma medida aprovada com o apoio de parte do seu próprio campo.

Congresso utilizou lei votada em 1973

Pela primeira vez em 45 anos, o Congresso utilizou uma lei votada em 1973 (War Powers Resolution) para limitar os poderes militares de um Presidente do país.

Com a resolução sobre o Iémen, "o Congresso exige ao Presidente que retire as forças armadas americanas das hostilidades que atingem a República do Iémen", à exceção das operações que visem a Al-Qaida e associados, 30 dias após a adoção do texto.

O texto prevê que o Presidente possa solicitar um adiamento desta data, que o Congresso deverá aprovar.

Em março, a Casa Branca manifestou "firme oposição" a esta resolução "imperfeita", dando a entender que seria bloqueada por Trump.

Apoio desde 2015

Desde 2015 que o Pentágono fornece um "apoio não-combatente" à coligação conduzida pela Arábia Saudita no Iémen, incluindo a entrega de armamento e fornecimento de informações. No final de 2018 os EUA suspenderam as suas operações de abastecimento em voo da aviação saudita.

A rara união entre deputados democratas e republicanos nesta votação pode ser explicada em grande medida pela profunda cólera no Congresso pelo assassínio em Istambul do jornalista saudita Jamal Khashoggi em outubro de 2018, por um comando proveniente de Riade.

O Iémen regista um devastador conflito após a intervenção de uma coligação árabe sob comando saudita em março de 2015, em apoio às forças pró-governamentais contra os rebeldes Huthis.

As forças insurgentes são apoiadas pelo Irão, o grande rival xiita da Arábia Saudita sunita no Médio Oriente.

Segundo a ONU, este conflito provocou a maior catástrofe humanitária no mundo, e com um balanço de mais de 10.000 mortos. Diversas organizações não-governamentais consideram que o balanço das vítimas é muito superior.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.