Confirmado caso de ébola em cidade com um milhão de habitantes

OMS anunciou que profissionais a caminho do país vão receber vacina ainda não licenciada

A Organização Mundial da Saúde e funcionários das Nações Unidas estão a caminho da República Democrática do Congo como socorristas depois de ter sido identificado um surto de ébola no país. O cenário mais preocupante é o da cidade de Mbandaka, que tem cerca de um milhão de habitantes, e onde já foi confirmado um caso, o que significa que o surto se espalhou do campo para as áreas urbanas e que a doença será mais difícil de controlar.

Segundo a BBC, o ministro da Saúde, Oly Ilunga Kalenga, confirmou o caso detetado em Mbandaka. A cidade fica a cerca de 130 km da área onde os primeiros casos foram confirmados, no início deste mês. A cidade é ainda um importante centro de transporte com várias rotas para a capital Kinshasa.

O vice-diretor-geral da OMS, Peter Salama, disse à Reuters que vários funcionários inscreveram-se para a imunização com a vacina VSV-EBOV. Desenvolvida pela Merck, a vacina ainda não está totalmente licenciada, mas mostrou-se segura e eficaz nos testes realizados.

"Pela primeira vez, oferecemos vacinação a todos os agentes da resposta internacional - e faremos isso em Genebra e em Kinshasa", disse Peter Salama, esta quinta-feira. As primeiras vacinas serão administradas amanhã, em Genebra.

De acordo com números avançados pela OMS já houve 44 casos suspeitos, prováveis ​​ou confirmados de ébola neste surto e 23 pessoas morreram.
O caso mais preocupante é o que foi confirmado na cidade de Mbandaka, que tem cerca de um milhão de habitantes.

Salama viajou para as áreas afetadas do Congo no último fim de semana e disse que "certamente" irá receber a vacina antes de regressar ao Congo.

O primeiro lote de vacinas contém cerca de 4.000 doses e destina-se a profissionais de saúde locais e a quem esteve em contacto com o vírus. A vacinação começa já no início da próxima semana.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.