Como se elege o líder dos Tories? Sucessor de May conhecido em julho

Primeira-ministra deixa liderança partidária a 7 de junho, mas o novo chefe só será conhecido em meados de julho.

O sucessor ou sucessora de Theresa May na liderança do Partido Conservador será escolhido pelos militantes, que decidem assim também quem será o próximo ocupante do número 10 de Downing Street. Em última análise, contudo, a decisão poderá caber apenas aos deputados conservadores.

O processo começa na semana posterior a 7 de junho, quando May tornará oficial a sua demissão, devendo acabar só em meados ou finais de julho.

O Comité 1922, que reúne todos os deputados que não têm um cargo no governo, é o responsável pela organização das eleições. Após uma reunião, esta manhã, anunciaram que os deputados terão que nomear os candidatos à liderança do partido na semana que começa a 10 de junho.

Cada candidato tem que ter o apoio de pelo menos dois deputados conservadores para poder entrar na corrida. Se houver mais do que dois candidatos, são efetuadas sucessivas rondas de votação entre os deputados dos Tories até só restarem dois, que são depois postos à consideração dos militantes do partido.

"Sucessivas rondas de votação vão decorrer até só restarem dois candidatos, que irão a votos entre todos os membros do partido", segundo os responsáveis do Comité 1922. "Esperamos que esse processo fique concluído no final de junho, permitindo uma série de eventos em todo o Reino Unido para que os membros conservadores se reúnam e questionem os candidatos, e depois votem a tempo de anunciar o resultado antes de o Parlamento ir para férias", acrescentaram.

Mas a decisão pode até nem ser dos militantes. Theresa May, por exemplo, chegou à liderança dos Tories depois da demissão de David Cameron. Havia vários candidatos à sucessão, mas após as rondas de votação entre os deputados, a sua adversária final, Andrea Leadsom, optou por desistir da corrida. Caso este cenário se repita, o nome do futuro primeiro-ministro ou primeira-ministra será conhecido muito antes do prazo dado hoje pelo Comité 1922.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.