Coligação bombardeia "por erro" forças iraquianas e faz oito mortos

Ataque de avião norte-americano matou "por erro" membros das forças de segurança iraquianas em Al-Baghdadi, a cerca de 250 quilómetros de Bagdade

Pelo menos oito pessoas foram hoje mortas, na maioria membros das forças de segurança iraquianas, num raide aéreo realizado "por erro" por um avião norte-americano pertencente à coligação internacional no oeste do Iraque, indicou fonte oficial.

"Oito pessoas, entre eles um alto oficial dos serviços de informação, morreram num ataque no centro da localidade de Al-Baghdadi. Tudo indica que foi um erro", disse um responsável provincial, citado pela agência noticiosa France Presse (AFP).

O raide provocou também cerca de duas dezenas de feridos, entre eles o chefe da polícia de Al-Baghdadi, que se encontra em estado grave, bem como o presidente da câmara e outros responsáveis locais, acrescentou a fonte.

Al-Baghdadi está situada 250 quilómetros a oeste de Bagdade, na província sunita de Al-Anbar, onde se encontravam até há poucas semanas vários bastiões do grupo jihadista Estado Islâmico (EI), que as forças iraquianas reivindicam terem derrotado em dezembro último.

A localidade fica próximo da base aérea de Ain al-Assad, onde estão estacionados os aviões norte-americanos da coligação internacional, liderada pelos estados Unidos, que ajuda as forças iraquianas a combater o EI em todos os centros urbanos do país.

O Comando Conjunto das Operações (JOC), que congrega todas as forças implicadas na luta contra o EI, publicou um comunicado pormenorizado sobre a operação, realizada de madrugada, sem fazer qualquer menção a vítimas, mortais ou feridas.

No comunicado é explicado que as forças iraquianas tinham obtido informações sobre uma reunião em Al-Baghdadi, "na presença do comandante terrorista Karim al-Soumarmad".

Foi ordenado, então, prossegue, um raide "com o apoio aéreo da coligação", que permitiu a detenção de um terrorista.

"Ao reentrar na base militar, as forças especiais terrestres cruzaram-se com um comboio de viaturas dirigindo-se para uma casa vizinha (à de onde se realizara a reunião). Ignorando que se tratava de reforços da polícia, as forças especiais deram conta da situação à coligação, que ordenou então o raide aéreo", explica-se no comunicado.

Entretanto, conclui-se no documento, foi já aberto um inquérito.

Vídeos amadores mostram veículos da polícia calcinados, bem como manchas de sangue espalhadas pelo local.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG