União Europeia não vai renegociar Acordo de Paris, garante Juncker

Presidente da Comissão europeia diz que é tempo de agir e não de renegociar e mostrou-se convicto no Parlamento Europeu de que a saída dos Estados Unidos do acordo vai unir mais o mundo no combate às alterações climáticas

O presidente da Comissão Europeia assegurou hoje, perante o Parlamento Europeu, em Estrasburgo, que "a União Europeia não vai renegociar o Acordo de Paris" sobre o clima, apesar do abandono dos Estados Unidos, que classificou como uma desilusão.

"Os 29 artigos do acordo devem ser implementados e não renegociados. A ação climática não necessita de mais distrações. Passámos 20 anos a negociar, agora é tempo de agir, é tempo de implementar", declarou Jean-Claude Juncker, que foi ovacionado pelos eurodeputados.

Juncker disse que a UE está "desapontada" e "lamenta a decisão" da administração norte-americana liderada por Donald Trump de "abdicar da ação comum" no combate ao aquecimento global, mas sublinhou que a mesma "não significa o fim do Acordo de Paris".

Manifestou-se mesmo convicto de que a saída dos EUA "tornará o resto do mundo mais unido e determinado em trabalhar com vista à plena implementação" do "acordo histórico" assinado na capital francesa em 2015.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.