Ciência em primeiro lugar. Governadores dos EUA aliam-se

Os estados do Nevada e do Colorado aderiram a um pacto regional para ajudar a combater o coronavírus, numa abordagem baseada na ciência e na gradual reabertura. Há 15 dias Trump disse que tinha "autoridade total" sobre os estados.

Os governadores do Nevada e do Colorado juntaram-se aos homólogos de Washington. Oregon e Califórnia para trabalharem em conjunto na estratégia de combate à pandemia.

O governador do Nevada, Steve Sisolak, e o governador do Colorado, Jared Polis, afirmaram que o acordo dos cinco estados do oeste tem uma visão comum que coloca a ciência à frente da política. O democrata do Nevada disse que tenciona trocar informações críticas sobre a forma de mitigar o surto e reabrir as empresas "de forma responsável".

"O covid-19 não se rege por fronteiras estatais ou nacionais, e será necessário que todos os níveis de governo trabalhem em conjunto para se conseguir dominar este vírus", afirmou na segunda-feira o governador da Califórnia, Gavin Newsom.

Esta resposta dos estados segue-se a um período de turbulência entre a resposta (ou falta dela) do governo federal e as ameaças do presidente dos Estados Unidos. Há duas semanas, Donald Trump chegou a afirmar que tinha autoridade total sobre os estados. "Quando alguém é o presidente dos Estados Unidos, a autoridade é total. Os governadores sabem disso", disse quando surgiram as notícias de que os governadores da costa leste e oeste iriam formar alianças regionais.

Há agora três grupos de estados a adotar uma abordagem regional para reabrir as suas economias. Além do grupo da costa oeste, há o grupo do nordeste, que compreende os estados de Nova Iorque, Nova Jérsia, Pensilvânia, Connecticut, Rhode Island, Delaware e Massachusetts, e o grupo do centro-oeste, com a adesão do Michigan, Ohio, Wisconsin, Minnesota, Ilinóis, Indiana e Kentucky.

No início do mês Steve Sisolak declinou a adesão ao pacto da costa oeste, tendo afirmado que tencionava basear quaisquer decisões sobre o abrandamento das restrições relacionadas com a pandemia no conselho dos peritos médicos do seu estado.

"Milhões de visitantes dos nossos vizinhos estados ocidentais viajam todos os anos para o Nevada como destino principal e esta parceria será vital para a nossa recuperação imediata e para o regresso económico a longo prazo", afirmou agora Sisolak.

Os responsáveis pela saúde do estado comunicaram que quase 4 700 residentes do Nevada foram infetados com covid-19 e mais de 200 morreram.

Há dias o governador criticou a mayor de Las Vegas Carolyn Goodman por esta advogar a reabertura total da economia, casinos e estádios incluídos e oferecendo-se para que a população forme um grupo de controlo de uma experiência.

"Não vou permitir que os cidadãos do Nevada sejam usadas como grupo de controlo, de placebo, ou lá como ela queira chamar isso. Não vou permitir", afirmou Sisolak, democrata como os outros quatro governadores da costa oeste.

Na segunda-feira, Las Vegas retomou o negócio de casamentos quase seis semanas depois de o gabinete responsável pela emissão de licenças ter sido fechado para limitar a propagação do covid-19.

Os funcionários do condado disseram que se esperava que a mudança ajudasse na resolução de uma ação judicial movida na semana passada pelo proprietário de várias capelas de casamento em Las Vegas e por um casal que quer casar-se. O processo dizia que negar a emissão das licenças necessárias para tornar válido um casamento nos termos da lei estatal no Nevada era uma violação constitucional da liberdade religiosa.

Os EUA lideram em número oficial de infetados, com mais de um milhão de casos, e 60 mil mortos, quando no mundo inteiro foram registados cerca de 3,1 milhões de pessoas com covid-19 e mais de 213 mil óbitos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG