Sem-abrigo português encontrado morto em Londres fora deportado duas vezes

Governo português ainda não foi capaz de contactar a família

O cidadão português que foi encontrado morto na quarta-feira nas ruas de Londres foi deportado duas vezes do Reino Unido, disse esta sexta-feira fonte do Governo, que adiantou que ainda não foi possível contactar a família do homem.

Em comunicado, o gabinete do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas revelou que o homem "estava inscrito no consulado geral de Portugal em Londres desde 2008".

O cidadão foi deportado para Portugal pelas autoridades britânicas em 2014, tendo sido apoiado através da colaboração entre a Direção Geral de Assuntos Consulares e das Comunidades Portuguesas e a Segurança Social.

Na segunda deportação, em 2016, o homem foi deportado por "se encontrar ilegalmente" no Reino Unido, "sem que tivesse sido formulado qualquer pedido de apoio aos serviços consulares".

Depois dessa data, acrescenta a mesma fonte do gabinete de José Luís Carneiro, as autoridades portuguesas "não voltaram a ter registo da permanência do cidadão em território britânico".

O Governo adianta que os serviços consulares de Portugal em Londres "têm procurado contactar a família do cidadão português falecido em circunstâncias trágicas na capital britânica, o que ainda não se revelou possível".

Segundo o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE), "não é conhecida a existência de familiares diretos deste cidadão em Portugal, sabendo-se que poderão residir noutros países, nomeadamente em Angola, onde o cidadão tinha raízes familiares".

Os serviços consulares, acrescenta o mesmo comunicado, continuam a "acompanhar este processo, junto das autoridades britânicas", nomeadamente no que diz respeito à identificação, autópsia e aos procedimentos administrativos relacionados com a libertação do corpo e o registo do óbito.

A polícia britânica, contactada hoje pela agência Lusa, referiu que está a preparar um relatório sobre este caso para entregar ao 'coroner ', o juiz de instrução que dirige o inquérito a mortes inesperadas sem causa natural.

Esta quinta-feira, o Governo português confirmou a morte do cidadão português, de 35 anos, que as autoridades locais tinham identificado como um sem-abrigo.

O alerta tinha sido dado na quarta-feira, pelas 07:16, quando foi descoberto um homem sem respirar na estação de metro de Westminster, levando à chamada dos serviços de emergência.

O incidente gerou alguma controvérsia por o homem ter sido encontrado perto do parlamento britânico, levando o líder do partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, a deixar um cartão de condolências e flores.

Hoje, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou a morte do cidadão português, "em circunstâncias desumanas".

O chefe de Estado português manifestou também a sua "solidariedade para com as pessoas que vivem em condições precárias, sem teto ou sem casa, apelando ao esforço de todos para a sua inclusão na sociedade", acrescentava a nota, publicada hoje de manhã no portal da Presidência da República.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...