Chuva e vento dificultaram aterragem de avião que se despenhou na Índia

Acidente provocou pelo menos 18 mortos e mais de 120 feridos, incluindo 22 em estado grave.

Chuva e ventos com força de furacão dificultaram a aterragem do avião, com mais de 190 pessoas a bordo, que esta sexta-feira se despenhou no sul da Índia, caindo num vale depois de ter saído da pista. O acidente provocou pelo menos 18 mortos e mais de 120 feridos, incluindo 22 em estado grave. Entre os mortos estão os dois pilotos da aeronave e quatro crianças.

.O Boeing 737, com 191 pessoas, entre passageiros e tripulantes, fazia o trajeto entre Dubai e a cidade de Calecute, no estado indiano de Kerala. Renjith Panangad, um passageiro de 34 anos, contou que o avião tocou a pista e depois tudo ficou "branco". "Depois do acidente, a porta de emergência abriu-se e eu rastejei para fora", disse à AFP a partir de um hospital em Calecute, onde permanece internado.

O aeroporto de Calecute é considerado perigoso, dado que a pista de aterragem termina num declive acentuado. A comunicação social indiana, com base em dados de um site de rastreamento de aeronaves, está a afirmar que o avião acidentado aparentemente tentou pousar duas vezes e acabou por cair à terceira tentativa, com condições climáticas difíceis. A aeronave ficou partida em dois.

Motoristas de táxi e comerciantes locais juntaram-se ao pessoal de resgate do aeroporto para ajudar a libertar as pessoas presas na fuselagem, no escuro e na chuva, num contexto em que várias pessoas a bordo tiveram de ser resgatadas com equipamentos especiais. De acordo com as autoridades foram necessárias três horas para libertar todos os feridos e retirar os corpos dos escombros.

"Os moradores correram para o local depois de ouvir o estrondo", contou um socorrista. "As pessoas vieram de carro, trocaram mensagens via WhatsApp (...) sobre o que precisávamos". "Primeiro as pessoas levaram os feridos para o hospital nos seus carros. Depois, os serviços de emergência assumiram a situação", acrescentou.



Como dezenas de outros aviões nas últimas semanas, a aeronave acidentada repatriava indianos bloqueados no exterior pela pandemia de coronavírus, especialmente dos países do Golfo. O ministro da Saúde de Kerala, K.K. Shailaja, pediu entretanto a todos os envolvidos no resgate que se isolassem devido ao risco de contrair o coronavírus dos passageiros.

Segundo a documentação do voo, quinze passageiros estavam de regresso à Índia depois de terem perdido o emprego, 12 devido a emergências médicas e dois para se casar.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, expressou as suas condolências no Twitter. "Tenho presente nos meus pensamento aqueles que perderam entes queridos", afirmou.

O último grande acidente aéreo na Índia ocorreu em 2010, quando um Boeing 737-800 da Air India Express, que voava do Dubai para Mangalore, saiu da pista e explodiu, causando 158 mortes. Oito pessoas sobreviveram.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG