Cheerleader despedida por publicar foto íntima no Instagram

Bailey Davies, cheerleader dos New Orleans Saints, tirou uma foto em lingerie e publicou-a na rede social

Acabou o sonho de Bailey Davis. A jovem, de 22 anos, sempre se imaginou como uma cheerleader dos New Orleans Saints, da liga de futebol americano (NFL), mas agora o sonho de menina teve um final inesperado. Davis alega ter sido despedida por causa de uma foto que publicou no Instagram.

A imagem que decidiu partilhar na rede social mostra a jovem a posar em lingerie. Ora isso não foi bem visto pela NFL. A entidade empregadora terá alegado que a jovem do Mississippi não respeitou os regulamentos da equipa de New Orleans.

A BBC teve acesso a uma carta que Bailey Davis recebeu que confirma a tese da jovem. "Esta carta é a confirmação do término do seu emprego no New Orleans Louisiana Saints (...) devido ao não cumprimento das regras e regulamentos do Saintsations", lê-se no documento.

E são muitas as regras impostas na equipa da NFL aos seus funcionários, como a proibição do "uso de fotos nuas, semi-nuas ou de lingerie" nas redes sociais. Regulamentos que não são para todos, uma vez que não se aplica aos jogadores, mas sim às cheerleaders.

Davis já apresentou uma queixa de discriminação contra o clube de New Orleans na Comissão para a Igualdade de Oportunidades no Emprego. "Elas devem ser tratadas como atletas, que é o que elas são. Isto é uma clara discriminação baseada no género", declara Sara Blackwell, advogada da ex-cheerleader, à BBC.

Blackwell revelou que o próximo passo é enviar uma carta ao comissário da NFL, Roger Goodell, a solicitar uma audiência.

Na queixa apresentada, são identificadas algumas das regras impostas às cheerleaders, mas não aos jogadores. Não devem, por exemplo, namorar ou manter contacto com nenhum jogador, técnico ou elemento da equipa e socializar de forma íntima com os jogadores dá direito a despedimento imediato.

De acordo com as declarações da advogada, o clube alegou que Bailey Davis quebrou a política que visa afastar as cheerleaders dos jogadores. Davis contou que chegou a ser chamada ao departamento de recursos humanos da equipa e foi informada que tinha violado as regras ao participar numa festa com os jogadores do New Orleans Saints, o que é proibido para os elementos do grupo que apoia a equipa nos jogos. Na altura, a jovem negou.

Face às acusações da jovem, a equipa da NFL defende-se. "O New Orleans Saints é um empregador que promove a igualdade de oportunidades e nega que a senhora Davis tenha sido discriminada por ser mulher. Os Saints defenderão esses direitos", lê-se numa declaração de Gregory Rouchell, advogado da equipa, publicada no jornal Hattiesburg.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG