Centenas manifestaram-se contra a deportação de migrantes

Benjamin Netanyahu anulou o acordo sobre migrantes, que previa a reinstalação de mais de 16 mil sudaneses e eritreus, que vivem em Israel, em países ocidentais, e gerou a revolta

Foram muitos os que se manifestaram esta quarta-feira, em Jerusalém, contra a anulação, na véspera, pelo primeiro-ministro israelita de um acordo com a ONU sobre migrantes africanos, constatou um jornalista da AFP.

"Paremos a expulsão", podia ler-se nas bandeirolas dos manifestantes, entre os quais migrantes africanos, que denunciavam a decisão de Benjamin Netanyahu de anular o acordo concluído com o Alto-Comissariado da ONU para os Refugiados.

Este acordo previa a reinstalação de mais de 16 mil sudaneses e eritreus, que vivem em Israel, em países ocidentais.

Em troca, o Estado hebreu comprometia-se a dar uma autorização de residência a um número equivalente, que poderiam permanecer no território.

O acordo pretendia substituir-se a um programa de expulsões, que tinha provocado uma forte polémica e que acabou por ser anulado.

Segundo as autoridades israelitas, vivem em Israel 42 mil migrantes africanos. As mulheres e as crianças não faziam parte do plano inicial das expulsões.

Estes migrantes chegaram na sua maioria em 2007, a partir do Sinai -- fronteira esta, com o Egito, na altura porosa, que ficou entretanto praticamente hermética --, e instalaram-se em grande número nos bairros pobres de Telavive.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG