Centenário de desfile militar em Londres abre comemorações dos 650 anos da aliança Luso-Britânica

A aliança diplomática é considerada a mais antiga ainda em vigor no mundo.

O centenário do desfile vitorioso das tropas britânicas após a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), no qual participou um regimento português, vai ser celebrado esta sexta-feira em Londres, no âmbito do programa de comemorações dos 650 anos da aliança Luso-Britânica.

A capela da Rainha do Palácio de Saint James, que foi usada pela portuguesa Catarina de Bragança, casada com o rei inglês Carlos II no século XVII, vai celebrar uma missa especial para recordar o Dia da Paz, que teve lugar em 19 de julho de 1919. Naquele dia, 15.000 militares desfilaram pelas ruas da capital britânica para festejar o fim da guerra e a vitória das tropas Aliadas, com uma passagem pelo Palácio de Buckingham para saudar o rei Jorge V.

Além da participação do regimento português no desfile, o rei português Manuel II, exilado em Londres, foi convidado a juntar-se à família real britânica no cumprimento às tropas, contou Bernard Hornung, um dos organizadores do evento de sexta-feira. "Ele fez uma enorme contribuição pessoal no apoio aos feridos, mas recebeu pouco reconhecimento", disse Hornung, antigo presidente da Sociedade Anglo-Portuguesa, à agência Lusa.

O serviço será conduzido pelo reverendo cónego Paul Wright, e terá uma apresentação conjunta do Coro da Capela Real e do Coro do Queen's College da Universidade de Oxford. "Este é o primeiro evento de um programa ambicioso de quatro anos para comemorar os 650 anos do Tratado de Londres, selado na Catedral de São Paulo a 16 de junho de 1373 por Eduardo III de Inglaterra e Fernando e Leonor de Portugal", adiantou.

O tratado formalizou a aliança luso-britânica, considerada a mais antiga aliança diplomática ainda em vigor no mundo, o que o programa Portugal-UK 650 pretende celebrar durante os próximos quatro anos, até 2023. O evento terá a presença de um representante do Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico e do Embaixador de Portugal em Londres, Manuel Lobo Antunes, e também do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor.

Este chegou a Londres na quinta-feira com o vice-presidente da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), José Paulo Esperança, com a presidente da Agência Espacial Portuguesa, Chiara Manfletti, com o diretor do Centro Internacional de Investigação para o Atlântico, Joaquin Brito, para celebrar uma série de acordos de cooperação científica e tecnológica entre Portugal e o Reino Unido.

Manuel Heitor assinou na quinta-feira, juntamente com o secretário de Estado para as Universidades, Ciência, Investigação e Inovação britânico, o acordo de adesão do Reino Unido ao "Centro Internacional de Investigação do Atlântico" ("AIR Centre" - Atlantic International Research Center"). Foi também assinado um acordo de cooperação entre as agências espaciais de Portugal (Portugal Space) e do Reino Unido (UK Space Agency) e foi lançado um programa de colaboração entre a FCT e a universidade Imperial College London.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?