Supremo espanhol acusa 13 separatistas de delitos de rebelião

Trata-se do crime mais grave contra a Constituição

O Supremo Tribunal espanhol acusou hoje de delito de rebelião 13 separatistas pela sua participação no processo de independência da Catalunha, entre os quais o ex-presidente do executivo regional Carles Puigdemont, refugiado na Bélgica.

O juiz responsável pela instrução do caso, Pablo Llarena, avança com as acusações quatro meses depois do início da investigação à tentativa de organizar a criação de uma República independente na Catalunha.

Foram ainda acusados do crime de rebelião o ex-presidente do Governo regional Oriol Junqueras, a ex-presidente do parlamento regional Carme Forcadell, e os independentistas Jordi Sanchez e Jordi Cuixart, assim como a líder da Esquerda Republicana da Catalunha Marta Rovira, que hoje faltou à audiência marcada e anunciou que se exilava.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG