Casinos de Macau medem temperatura corporal para prevenir pneumonia viral da China

A ameaça de pneumonia viral no centro da China está a obrigar os casinos de Macau a realizarem medições da temperatura corporal à entrada das salas de jogo, com o apoio das autoridades de Macau.

As seis concessionárias/ subconcessionárias do jogo em Macau têm utilizado termómetros portáteis para assegurarem as medições à entrada dos casinos desde domingo, quando o Governo de Macau elevou o nível de alerta de emergência para o nível III (grave), em resposta ao surto de pneumonia viral na cidade chinesa de Wuhan.

"Simultaneamente, foram adquiridos equipamentos adicionais" e, "devido à necessidade de adquirir, num curto tempo, uma grande quantidade de equipamento de medição de temperatura corporal", a Direção de Inspeção e Coordenação de Jogos, em colaboração com os Serviços de Saúde, "manifestou o apoio às concessionárias/ subconcessionárias na aquisição e obtenção dos equipamentos com rapidez", pode ler-se no comunicado.

A legislação de Macau define cinco níveis de alerta, sendo o primeiro "especialmente grave" e o quinto "normal". O nível de alerta três é um grau de risco considerado grave que exige um acompanhamento mais apertado.

O Governo ativou o mecanismo de operação interdepartamental para permitir o reforço das ações de prevenção e coordenação entre vários serviços públicos, como os de Saúde, de Educação, de Turismo, Instituto Ação Social, Instituto de Assuntos Municipais, polícia, bombeiros e alfândegas.

Na quinta-feira, os Serviços de Saúde de Macau já tinham reforçado o controlo de temperatura a todos os passageiros das duas ligações aéreas diárias entre o território e Wuhan.

Na sexta-feira, o número de pessoas infetadas com pneumonia viral na cidade chinesa de Wuhan subira de 27, registados a 31 de dezembro, para 44. No domingo passado, o número de infetados subiu para 59.

Todas as análises deram negativo para gripe, gripe aviária, infeções por adenovírus "e outras doenças respiratórias comuns", não se confirmando também o contágio entre pessoas, indicou o mesmo comunicado. As autoridades chinesas continuam a procurar identificar o agente da doença.

As primeiras investigações apontaram para uma relação com o mercado grossista da cidade, capital da província de Hubei, onde residem 11 milhões de pessoas.

No final de 2002, a China esteve na origem de um surto mundial da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), que resultou em mais de oito mil casos, incluindo no Canadá e nos Estados Unidos. Em meados de 2003, registaram-se mais de 800 mortos.

Há 16 anos, desde 2004, que não há registo de novos casos, sendo considerado que a doença, mas não o vírus, foi erradicada.

A SARS é transmitida de pessoa para pessoa através de contactos próximos ou através de gotas transportadas pelo ar e que foram expelidas por uma pessoa infetada.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG