"Casas cápsula" de 3 metros quadrados? Barcelona vai vetar a ideia

"Obviamente que isto não é uma solução habitacional adequada", admite a empresa. Mas é melhor que viver na rua, argumenta

As autoridades de Barcelona anunciaram ontem que não vão autorizar a comercialização de pequenas "casas cápsulas" de três metros quadrados, que estão a ser promovidas por uma empresa chamada Haibu 4.0.

"As regras dizem que cada casa deve ter uma superfície de pelo menos 40 metros quadrados, o que significa que esta empresa nunca vai obter as licenças necessárias", disse o vereador Josep Maria Montaner, citado no El País. "Felizmente, acumular pessoas é proibido. A lei não autoriza este tipo de soluções", reforçou a presidente da câmara Ada Colau.

Reações que chegam depois de a ideia ter causado indignação nas redes sociais: "Nos cemitérios também há casas assim, chamam-se caixões", criticou um político do Podemos, Íñigo Errejón.

As "cápsulas", pequenos espaços inspirados nos "pods" de alguns hotéis japoneses, estavam a ser anunciadas há semanas: 15 espaços agrupados numa "colmeia" de 100 metros quadrados, por 200 euros por mês, para residentes que não conseguem suportar a escalada de rendas na capital da Catalunha.

"Cada espaço tem 120 cm de largura, 120 de altura e dois metros de comprimentos. Dentro há uma cama que se pode levantar para pôr malas, uma cabeceira que também pode ser usada para arrumação, uma mesa desdobrável, prateleiras, uma tomada e um carregador USB", explica Edi Wattenwil, da Haibu 4.0 (que significa colmeia em japonês), citado pelo El País.

As "cápsulas" funcionam como favos de uma colmeia, que tem espaços comuns como cozinha e a casa de banho - e as despesas de água e eletricidade, mas também a limpeza dessas áreas comuns, estão incluídas no preço.

Wattenwil defende que os cidadãos que estão a atravessar um período difícil não deveriam ter de dormir na rua ou num hostel: "A nossa empresa permite que vivam com dignidade por 200 euros por mês", conclui, acrescentando que já tinham recebido mais de 500 candidaturas.

"Obviamente que isto não é uma solução habitacional adequada. Ninguém quereria isto para si próprio. Mas ninguém quer um salário mensal de 500 euros e infelizmente eles existem. Em vez de viverem na rua, oferecemos isto", explicou outro dos empreendedores da Haibu 4.0 à AFP.

Mas também há regras para os futuros inquilinos deste apartamento partilhado: ter entre 25 e 45 anos, não ter antecedentes criminais, e um rendimento mínimo de 450 euros por mês. Se a ideia não vingar em Barcelona, a empresa pondera tentar noutra cidade europeia, como Copenhaga ou Roma.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...