Casado surpreende e disputará liderança do PP com Sáenz de Santamaría

Militantes escolheram os dois candidatos à sucessão de Mariano Rajoy. Um deles será eleito pelos delegados no Congresso de 20 e 21 de julho. María Dolores de Cospedal, secretária-geral do partido, é a grande derrotada.

O vice-secretário de Comunicação do Partido Popular, Pablo Casado, surpreendeu e ficou a apenas 1600 votos de ganhar as primárias que marcam o início do processo que vai eleger o sucessor de Mariano Rajoy. O seu segundo lugar, atrás da ex-número dois do governo espanhol, Soraya Sáenz de Santamaría, afasta da corrida a outra favorita, María Dolores de Cospedal, secretária-geral do partido e ex-ministra da Defesa.

Saénz de Santamaría venceu as primárias com 37% dos votos (21 513) e vai disputar com Casado (19 967 votos, ou 34%) a liderança do PP no congresso extraordinário de 20 e 21 de julho. Cospedal foi terceira, com 15 090 votos (26%), sendo a grande derrotada. Os números foram confirmados pelo presidente do Comité Organizador do Congresso, Luis de Grandes.

O deputado e ex-chefe da diplomacia espanhola, José Manuel García-Margallo, teve 680 votos, o antigo responsável pelas Relações Internacionais do PP, José Ramón García Hernández, teve 688 e o vereador do PP em Valência, Elio Cabanes, teve 185.

García Margallo reagiu no Twitter, dizendo-se orgulho de pertencer ao partido e pondo-se ao seu serviço.

O mesmo fez García Hernández.

O congresso extraordinário foi marcado depois de o ex-primeiro-ministro ter anunciado o seu desejo de deixar a presidência partidária ao final de quase 14 anos e depois de ter sido afastado da chefia do governo graças a uma moção de censura que pôs o socialista Pedro Sánchez na Moncloa.

No total havia seis pré-candidatos à liderança do PP. Nas primárias para reduzir esse número a dois terão votado cerca de 58 mil dos 66700 inscritos (87%), que já só representavam 7% dos militantes. O líder será escolhido pelos mais de três mil delegados, a maioria dos quais foram também eleitos hoje (522 são delegados "natos" e têm voto automático, por serem membros da Junta Diretiva do partido ou da Comissão Organizadora do congresso).

Contagem de votos

Desde o início da contagem dos votos, após o fecho das urnas às 20.30 em Madrid, que Sáenz de Santamaría e Casado se colocavam com vantagem frente a Cospedal. De facto, o jovem vice-secretário de Comunicação do partido parecia mesmo lançado para surpreender até a ex-número dois de Rajoy, tendo conquistado 54,4% dos votos na região de Madrid.

Mas a Andaluzia acabaria por fazer tombar a balança na direção de Sáenz de Santamaría, que aí conquistou mais quatro mil votos que Pablo Casado.

Pablo Casado, de 37 anos, estudou Direito na Universidade Complutense de Madrid e Administração de Empresas na Universidade Rei Juan Carlos (e está a ser investigado depois dos escândalos que envolveram o curso de mestrado de Cristina Cifuentes, ex-presidente da Comunidade de Madrid). Ex-líder da Nuevas Generaciones, a organização de juventude do PP, representa a renovação partidária. É casado e tem dois filhos. É deputado desde 2011 por Ávila.

Já Sáenz de Santamaría é uma veterana, tendo sido a número dois de Rajoy nos últimos sete anos. Antes, entre 2008 e 2011, foi porta-voz do grupo parlamentar do PP,

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.