Casado escolhe filho de Suárez para número dois na lista por Madrid

Adolfo Suárez Illana, responsável da Fundação Concórdia e Liberdade, é filho do primeiro-ministro da transição espanhola e já foi candidato pelo PP no passado. As eleições são a 28 de abril.

O líder do PP, Pablo Casado, anunciou que o número dois da lista eleitoral por Madrid será Adolfo Suárez Illana, filho do ex-primeiro-ministro Adolfo Suárez. Desde novembro de 2018 que era presidente da Fundação Concórdia e Liberdade, um cargo para o qual tinha sido designado por Casado com o objetivo de elaborar um projeto para substituir a Lei de Memória Histórica.

"Adolfo encarna esses valores, esse patriotismo, essa entrega e esse trabalho de concórdia" que representou o seu pai, disse Casado esta manhã no fórum "A Espanha necessária", organizado pelo El Mundo . Para o líder do PP, Suárez Illana é "o depositário de um legado político" que o levou a entrar em política, já que o ex-primeiro-ministro, que esteve no poder entre 1976 e 1981, foi a sua "referência política".

As listas de Casado, segundo a mesma fonte, apostam na renovação, com 73% de novas caras entre os cabeças de lista ao Congresso e 77% no Senado. O anúncio da candidatura de Sánchez Illana foi feito quando perguntaram a Casado se o número dois da sua lista estava na sala e ele disse que sim, apontando para o filho do ex-primeiro-ministro.

O advogado de 54 anos, no PP desde 2002, já foi candidato a deputado regional em Castilla-La Mancha em 2003, mas teve o pior resultado para o partido naquela região até à data e retirou-se da política sem sequer tomar posse, voltando ao setor privado. "Quando fracassamos, demitimo-nos", disse então, segundo o El País.

Voltou à política com Casado, que o convidou para assumir a presidência da Fundação Concórdia e Liberdade, ligada ao partido. Ao ser número dois na lista por Madrid, Suárez Illana garante um lugar de deputado, 28 anos depois de o seu pai (que morreu a 23 de março de 2014) ter deixado o Congresso.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?