Casa Branca pondera substituir secretário de Estado pelo diretor da CIA

Secretário-geral da Casa Branca estará por trás da substituição de Rex Tillerson no cargo de secretário de Estado

A Casa Branca está a estudar a possibilidade de substituir o chefe da diplomacia dos Estados Unidos, o Secretário de Estado, Rex Tillerson, pelo diretor da CIA, Mike Pompeo, noticiou hoje a imprensa norte-americana.

A notícia foi lançada hoje pelo jornal New York Times, adiantando que o secretário-geral da Casa Branca, John Kelly, estará por detrás desta substituição, que deverá ocorrer "nas próximas semanas".

Horas depois, a agência de notícias Associated Press (AP) publicou igualmente a história, citando dois responsáveis da administração Trump. A AP refere que os dois responsáveis não estão autorizados a revelar matérias ainda em discussão interna na Casa Branca, pelo que falaram com a imprensa sob anonimato.

No seu artigo, o New York Times precisou que não sabia ainda se o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, já deu o aval definitivo a esta alteração.

Quanto à AP, acrescentou que outros responsáveis conhecedores deste processo aludiram à possibilidade de a Casa Branca estar a preparar alterações mais vastas à sua equipa da Segurança Nacional. Ainda não está claro qual será o momento para estas mudanças, concluiu a agência norte-americana.

Também se desconhece se Mike Pompeo, o diretor da agência para a espionagem externa, CIA, já foi contactado para assumir o lugar de Tillerson. No entanto, outro responsável da administração disse à AP que Pompeo está disponível para o fazer.

A agência francesa France Presse contactou a Casa Branca para obter um comentário, mas até ao momento não obteve resposta.

O relacionamento entre Donald Trump e Rex Tillerson tem sido muito complicado, com algumas desautorizações do Presidente ao seu chefe da diplomacia, declarações contraditórias entre ambos e a indicação, noticiada pela imprensa americana em outubro, de que o secretário de Estado queria demitir-se e que teria apelidado Trump de "moron" (imbecil) no final de uma reunião no Pentágono, em julho.

Tillerson, um texano que liderou a petrolífera ExxonMobil, veio a público no mesmo dia a negar a intenção de se demitir, mas sem desmentir que tivesse chamado "imbecil" ao Presidente.

Um responsável de topo da administração Trump, que falou recentemente com Tillerson, disse à AP que o secretário de Estado se sente seguro no lugar e que está concentrado na reorganização do Departamento de Estado e noutros dossiês da diplomacia americana.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG