Cartoonista dispensado após publicar desenho com Trump a jogar golfe ao pé de migrantes mortos

Um desenho de Trump a jogar golfe junto do pai e da sua bebé migrantes que morreram afogados junto a El Paso valeu o despedimento do autor antes de o seu trabalho ser publicado.

"Não sou o tipo de pessoa que quer fazer carreira por ser despedido e continuo a desenhar cartoons para outras publicações. Só preciso de recuperar o meu rendimento semanal e acostumar-me à ideia de que não tenho voz na minha província natal".

Esta foi a forma de Michael de Adder comentar o facto de ter sido dispensado do grupo Brunswick News (um grupo de media canadiano) por ser o autor de um desenho que não chegou a ser publicado e que mostrava o presidente dos EUA, Donald Trump, de taco de golfe na mão, e no chão Óscar e Valeria, pai e filha (esta de 23 meses) que morreram no passado domingo 23 de junho quando tentavam atravessar o rio Grande, que separa Ciudad Juárez (México) de El Paso (EUA). No desenho Trump questiona: "Importam-se que continue o jogo?".

O desenho foi publicado por Adder na sua conta da rede social Twitter a 26 de junho, mas nunca foi impresso num jornal.

"O que é mais doido, um cartoonista ser despedido de um jornal por causa de um cartoon que não desenhou ou um cartoonista ser despedido de um jornal por um cartoon que eles não publicaram?", questionou Michael de Adder no Twitter onde defende que, tecnicamente falando, não foi despedido porque não tinha qualquer contrato com os títulos em causa.

Segundo Wes Tyrell, presidente da Associação Canadiana de Cartoonistas citado pelo Daily Cartoon, o momento do despedimento de Michael Adder não terá sido "uma coincidência".

Durante este domingo, Adder, além de ter escrito que não quer ser visto como uma vítima e de chamar a atenção para o facto de em setembro ir publicar um livro com alguns dos seus cartoons, foi republicando alguns dos trabalho na sua conta do Twitter.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.