Carta de Einstein sobre antissemitismo alemão vendida por mais de 28 mil euros

Albert Einstein transmitiu à irmã, com mais de uma década de antecedência, os seus receios sobre a ascensão do antissemitismo na Alemanha.

Uma carta datada de 1922, onde Albert Einstein dizia recear o crescimento do antissemitismo na Alemanha muito antes de os nazis chegarem ao poder, foi adquirida esta terça-feira por mais de 28 mil euros (32 mil dólares) num leilão em Jerusalém.

"Aqui estão a nascer tempos economicamente e politicamente sombrios, por isso fico feliz em poder afastar-me de tudo", escreveu o físico de 43 anos à irmã, Maria, após sair de Berlim para um local não identificado na carta.

"O que é especial nesta carta é que Einstein realmente prevê - ele percebe com 10 anos de antecedência - o que vai acontecer na Alemanha", observou Meron Eren, co-fundador da leiloeira Kedem Auction House, que vendeu a carta a um comprador não identificado.

Albert Einstein, que três meses depois ganhou o Prémio Nobel, deixou a capital alemã depois de extremistas de extrema-direita terem assassinado o ministro dos negócios Estrangeiros Walter Rathenu, um amigo e colega judeu - com a polícia a avisá-lo de que poderia ser a próxima vítima.

"Ninguém sabe onde estou e acredito em ficar desaparecido", escreveu Einstein, acrescentando: "Estou muito bem, apesar de todos os antissemitas que existem entre os meus colegas alemães."

A carta fala numa viagem planeada por Einstein ao Japão, o que sugere que ele a escreveu enquanto esperava para partir do porto de Kiel (norte da Alemanha).

Quando os nazis chegaram ao poder na Alemanha, em 1933, iniciaram uma campanha de perseguição antijudaica que culminaria no Holocausto.

Einstein acabaria por renunciar à cidadania alemã e ficar a viver nos EUA.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.