Cardeal cubano Jaime Ortega morreu hoje aos 82 anos

O cardeal foi mensageiro do Papa Francisco durante os 18 meses de negociações secretas que levaram ao anúncio inesperado de uma reaproximação entre Cuba e os Estados Unidos em dezembro de 2014.

O cardeal de Cuba, Jaime Ortega, arquiteto da reaproximação histórica entre o seu país e os Estados Unidos no final de 2014, morreu hoje aos 82 anos, em Havana, anunciou fonte eclesiástica cubana.

"O cardeal Ortega morreu e quando começamos a sentir a sua ausência física, ressurgem, com a nossa gratidão, memórias das suas qualidades pessoais e o seu incansável zelo pastoral", refere um comunicado assinado pelo arcebispo de Havana, Juan da Caridad Garcia Rodriguez.

Em junho passado, autoridades da Igreja Católica alertaram sobre o grave estado de saúde do cardeal Ortega, que sofria de cancro no pâncreas e entrou em fase terminal quando deixou os tratamentos deixaram de fazer efeito.

Nascido em 18 de outubro de 1936 e considerado um homem de consenso, Jaime Ortega liderou a Igreja cubana por 35 anos.

Ortega apresentou a sua renúncia em 2011, conforme exigido pelas regras do Vaticano, quando um arcebispo atinge 75 anos, no entanto, o Papa Francisco só aceitou o pedido em 2016.

Foi também o rosto mais visível da Igreja Católica Cubana e responsável das históricas visitas pastorais do Papa João Paulo II a Cuba em janeiro de 1998, Bento XVI em 2012 e Francisco em 2015.

O cardeal foi mensageiro do Papa Francisco durante os 18 meses de negociações secretas que levaram ao anúncio inesperado de uma reaproximação entre Cuba e os Estados Unidos em dezembro de 2014.

Este degelo foi acompanhado por uma troca de prisioneiros entre os antigos inimigos da Guerra Fria e a visita histórica do Presidente dos EUA, Barack Obama, à ilha em 2016.

Contudo, esta reaproximação teve uma curta duração, com a chegada à Casa Branca de Donald Trump em 2017 que impôs uma série de sanções contra Cuba, pelo seu apoio ao Governo venezuelano de Nicolás Maduro.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.