Brexit: Tusk recomenda à UE que aprove o acordo no domingo

O presidente do Conselho Europeu recomendou hoje aos líderes europeus que no domingo aprovem o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE), apesar de reconhecer que "ninguém tem motivos para estar contente".

Na carta-convite dirigida aos chefes de Estado e de Governo da UE para o Conselho Europeu extraordinário de domingo em Bruxelas, Donald Tusk evidencia que o projeto de acordo de saída do Reino Unido do bloco comunitário é "o melhor possível".

"Durante as negociações, ninguém queria derrotar ninguém. Todos procurávamos um acordo justo e satisfatório. Acredito que finalmente chegámos ao melhor compromisso possível. [...] Recomendarei que, no domingo, aprovemos o resultado das negociações do Brexit. E, apesar de ninguém ter motivos para estar contente nesse dia, há algo que gostaria de salientar: num momento crítico, os 27 ultrapassam o teste à sua união e solidariedade", sinaliza.

A carta-convite de Donald Tusk seguiu para os chefes de Estado e de Governo dos 27 apenas hoje, quando o impasse causado pela ameaça de bloqueio espanhol à cimeira de domingo, devido ao estatuto de Gibraltar, foi desfeito.

Antes de endereçar a missiva aos líderes europeus, o político polaco falou ao telefone com o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, e informou, através do seu porta-voz, que a hipótese de que o Conselho Europeu se celebrasse no domingo era "mais certa" depois de Madrid e Londres terem chegado a um compromisso referente ao território ultramarino britânico, reivindicado pelos espanhóis.

"Reunir-nos-emos amanhã para concluir e formalizar o resultado das negociações do Brexit", indicou, sublinhando que no processo negocial foram respeitadas todas as diretrizes impostas pelos 27.

O presidente do Conselho Europeu considera que o acordo de saída garante que "os direitos dos cidadãos são plenamente protegidos, o processo de paz na Irlanda do Norte não será afetado, o Reino Unido continuará a proceder aos pagamentos para o orçamento comunitário no período de transição, e a segurança jurídica está assegurada".

"A declaração política estabelece a direção para a futura relação. Pretendemos trabalhar resolutamente para construirmos a melhor relação possível com o Reino Unido após o Brexit, como amigos e parceiros. Teremos cerca de dois anos para acordar um quadro para essa cooperação. Caso seja necessário tempo adicional para negociar a relação futura, será possível uma extensão do período de transição até dois anos", enfatiza.

A reunião extraordinária dos chefes de Estado e de Governo dos 27, na qual Portugal estará representado pelo primeiro-ministro, António Costa, começará às 09.30 (menos uma hora em Portugal continental), com uma troca de impressões com o presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani.

Os líderes dos 27 terão de seguida uma sessão de trabalho dedicada à ratificação do acordo de saída do Reino Unido da UE e à aprovação da declaração política da relação futura. Finalmente, receberão a primeira-ministra britânica, Theresa May, para em conjunto definirem os próximos passos negociais.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG