Brexit pode desencadear independência da Escócia em dois anos

O independentista histórico Alex Salmond acredita que o referendo vai ser renhido

Se o Reino Unido votar a favor da saída da União Europeia no referendo do próximo mês, pode desencadear uma segunda votação sobre a independência da Escócia dentro de dois anos, disse à AFP o veterano independentista Alex Salmond.

Salmond, de 61 anos, liderou o Partido Nacional Escocês e foi ministro principal da Escócia antes de se demitir quando a independência foi derrotada por 45% contra 55% no referendo de 2014. Agora, o veterano faz campanha pelo chamado 'Brexit'.

As sondagens mostram que os britânicos estão divididos sobre se devem permanecer no bloco europeu. Salmond, que é agora deputado no parlamento de Londres, acredita que a incerteza pode existir até ao último momento.

"Acho que o referendo vai ser altamente renhido", disse à AFP, criticando a campanha do primeiro-ministro David Cameron, que apoia a permanência da União. "A abordagem do primeiro-ministro (...) é essencialmente apresentar argumentos negativos, argumentos alarmistas", disse.

"O problema com esses argumentos é que são essencialmente uma mentira. Sim, claro que deixar a União Europeia vai causar dificuldades económicas, problemas, adversidades, mas não é um desastre. E não representa o fim do comércio internacional", afirmou.

Para Salmond, a "campanha certa" para gerar entusiasmo pela Europa, seria a que diz "isto é o que achamos que a Europa devia estar a fazer. Esta é a Europa que podemos construir, a Europa que queremos".

Exclusivos

Premium

Livro

Antes delas... ninguém: mulheres que desafiaram o domínio masculino

As Primeiras - Pioneiras Portuguesas num Mundo de Homens é o livro com as biografias de 59 mulheres que se atreveram a entrar nas profissões só de homens. O DN desvenda-lhe aqui oito dessas histórias, da barrista Rosa Ramalho à calceteira Lurdes Baptista ou às 'Seis Marias' enfermeiras-paraqueditas, entre outras