Brexit: Jeremy Hunt dá ultimato à UE para aceitar novo acordo até 30 de setembro

O candidato a líder do Partido Conservador Jeremy Hunt afirmou esta segunda-feira que, se for nomeado primeiro-ministro, vai focar-se num 'Brexit' sem acordo se até 30 de setembro não existirem perspetivas de entendimento com a União Europeia.

Num plano com dez pontos, que apresentou esta segunda-feira no instituto Policy Exchange, em Londres, Jeremy Hunt, candidato a líder do Partido Conservador e atual ministro dos Negócios Estrangeiros, prometeu acelerar os preparativos para uma saída do Reino Unido da União Europeia (UE) sem acordo logo no primeiro dia de funções, assumindo que venha a assumir o cargo.

Enquanto inicia contactos com os líderes europeus e Bruxelas, durante julho e agosto, Hunt quer cancelar as férias dos funcionários públicos durante agosto porque "todos os ministérios do Governo devem agir como se fôssemos sair sem um acordo a 31 de outubro".

O rival de Boris Johnson na corrida a líder do partido e do Governo quer formar uma nova equipa de negociação com membros do European Research Group, a ala ultra eurocética dos conservadores, membros do aliado Partido Democrata Unionista, da Irlanda do Norte, deputados conservadores moderados e originários das regiões britânicas do País de Gales e Escócia.

O objetivo é produzir um acordo de saída alternativo, baseado nas propostas de procedimentos alternativos para a fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda, para evitar a imposição de controlos alfandegários e também a solução que está no acordo negociado pela primeira-ministra, Theresa May, designada por "backstop".

O texto deverá ser submetido aos deputados na primeira semana de setembro e, se for aprovado, Hunt dá três semanas a Bruxelas para aceitar, prometendo uma decisão a 30 de setembro sobre "se há uma hipótese realista de um novo acordo ser aprovado que possa passar pela Câmara dos Comuns". "Se a minha avaliação for de que não é possível nenhum acordo, cessarei imediatamente todas as negociações com a União Europeia e concentrarei toda a atenção do país nos preparativos para uma saída sem acordo", prometeu.

O plano que apresentou inclui outras medidas, incluindo a redução dos impostos para as empresas, um orçamento com um fundo de 6 000 milhões de libras (mais de 6 600 milhões de euros) para facilitar a transição dos setores pesqueiro e agrícola e uma tabela de tarifas competitivas nas fronteiras.

Disputa pela liderança dos conservadores

Jeremy Hunt e Boris Johnson disputam a eleição interna no partido Conservador para suceder a Theresa May à frente do partido, e, consequentemente, no cargo de primeiro-ministro. Ambos estão a percorrer o país e a participar em debates em diferentes locais para ganhar apoio entre os cerca de 160 mil militantes, cujo voto vai decidir qual dos dois vai substituir Theresa May.

Os militantes podem votar, por via postal, até às 16:00 horas de 22 de julho e o vencedor será divulgado no dia seguinte, desencadeando a demissão da primeira-ministra britânica para dar o lugar ao novo líder do partido do Governo.

Theresa May renunciou à liderança do partido Conservador a 07 de junho devido às dificuldade em fazer aprovar o acordo de saída que concluiu com Bruxelas em novembro, mas continua como chefe de Governo até à eleição do sucessor.

Ambos os candidatos comprometeram-se a concretizar o "Brexit" até ao prazo de 31 de outubro, mas, enquanto Hunt não descarta um novo adiamento para concluir um acordo, Johnson está determinado a sair naquela data, mesmo sem acordo.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG