Ex-mulher de Bolsonaro nega ameaça de morte e faz vídeo de apoio a candidato

Depois de a Folha de São Paulo ter revelado que Ana Cristina Bolsonaro, ex-mulher do líder nas sondagens das presidenciais do Brasil, afirmou ao Itamaraty, em 2011, que foi ameaçada de morte pelo ex-marido, a própria veio desmentir o jornal, num vídeo de apoio ao candidato

"Nunca. Pai do meu filho. Meu ex-marido. Ele é muito querido por mim e por todos", garante Ana Cristina Valle, a segunda mulher de Jair Bolsonaro num vídeo colocado durante a noite num perfil de Instagram chamado Bolsonaro Opressor 2.0. A ex-mulher do candidato às presidenciais brasileiras de dia 7 garante que nunca foi ameaçada de morte e denuncia a campanha da "mídia suja" contra o ex-capitão do exército.

Segundo o trabalho jornalístico da Folha de São Paulo , a suposta ameaça a Cristina consta de relatos de dois telegramas do Itamaraty em 2011, época em que Bolsonaro e sua ex-mulher travavam uma disputa judicial no Rio de Janeiro sobre a guarda de um filho, que viajou com a mãe para a Noruega sem a autorização paterna.

O jornal refere que o antigo embaixador do Brasil na Noruega Carlos Henrique Cardim e duas outras fontes não identificadas confirmaram na íntegra os telegramas.

Ela própria candidata a deputada federal pelo Podemos, Ana Cristina, que no vídeo se identifica como Cristina Bolsonaro, garante: "Venho aqui muito indignada desmentir a Folha de São Paulo, que publica que Jair me ameaçou de morte". E acrescenta: "Espero que vocês acreditem que essa mídia suja só quer denegrir a imagem dele, porque ele está em primeiro lugar nas pesquisas e assim vai ficar."

"Venho aqui muito indignada desmentir a Folha de São Paulo, que publica que Jair me ameaçou de morte"

Para Ana Cristina, não há dúvida que o pai do seu filho, Jair Renan, vai ganhar a primeira volta das presidenciais. E deixa o recado: "Mídia suja, não adianta, nada vai fazer com que ele caia. Ela tá em pé, depois de tudo o que aconteceu e vai continuar, e vai chegar à Presidência, se depender de mim".

Autenticidade dos telegramas

Apesar do desmentido de Ana Cristina, a notícia da Folha foi confirmada ao jornal pelo embaixador Cardim. Este garantiu a autenticidade dos telegramas frisando que fez apenas "um relato" de uma situação transmitida pelo vice-cônsul do Brasil em Oslo.

"Foi explicada (a Ana Cristina Valle) a legislação do Brasil e da Noruega. E aí ela mencionou ao vice-cônsul que estava a pensar pedir asilo. E que teria dito ao vice-cônsul que sofreu uma ameaça de morte do deputado Bolsonaro. E o vice-cônsul transmitiu-me isso", disse o ex-embaixador.

"Não estou aqui [no telegrama] julgando se houve ou não essa ameaça. Só estou registando o que ela [Ana Cristina Valle] disse ao vice-cônsul", explicou o diplomata.

"Não estou aqui [no telegrama] julgando se houve ou não essa ameaça. Só estou registando o que ela [Ana Cristina Valle] disse ao vice-cônsul"

O candidato Bolsonaro não se pronunciou sobre o caso.

Líder nas sondagens de intenção de voto sobre as presidenciais do Brasil com 28% das intenções de voto, Bolsonaro está internado desde o dia 6 de setembro, quando sofreu um atentado durante um ato político na cidade brasileira de Juiz de Fora.

Exclusivos