Bolsonaro foi novamente operado, seis dias depois de facada

Uma ressonância magnética "mostrou uma aderência que está a obstruir o intestino delgado" e que necessita de uma "intervenção cirúrgica"

O candidato da extrema direita à presidência do Brasil Jair Bolsonaro foi submetido a uma nova intervenção cirúrgica, seis dias depois de ter sido apunhalado no abdómen, anunciou hoje o hospital onde está internado.

Uma ressonância magnética "mostrou uma aderência que está a obstruir o intestino delgado" e que necessita de uma "intervenção cirúrgica", explicou o hospital israelita Albert-Einstein.

De acordo com a imprensa brasileira, a operação foi bem-sucedida. Contactado pela agência de notícias France-Presse, o hospital não confirmou.

O candidato do Partido Social Liberal (PSL), atingido na quinta-feira passada por uma facada durante um ato de campanha em Minas Gerais, lidera a corrida eleitoral de outubro, com 22% das intenções de voto, na primeira sondagem feita após a recusa da candidatura liderada pelo ex-Presidente brasileiro Luís Inácio Lula da Silva do Partido dos Trabalhadores.

Bolsonaro, de 63 anos, tem defendido os valores tradicionais da família cristã, o porte de armas e 'prega' que o combate à violência no Brasil, país que atingiu a marca de 63.800 homicídios em 2017, deve ser feito de forma violenta pelas autoridades.

A polícia brasileira deteve o autor confesso do ataque, que disse ter agido "sob o comando de Deus" e atribuiu o crime às suas diferenças políticas e religiosas com a extrema direita.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.