Bolsonaro nomeia dono de empresa associada a fake news

Presidente brasileiro nomeou para a equipa de transição Mauro Aurélio Carvalho, cuja empresa está envolvida na polémica de divulgação de notícias falsas no WhatsApp.

O Presidente brasileiro eleito nomeou para a sua equipa de transição um dos donos da AM4, a maior prestadora de serviços da sua candidatura, envolvida na polémica divulgação de fake news (informações falsas) em massa pelo WhatsApp.

Marcos Aurélio Carvalho é um dos 28 nomes que foram publicados na segunda-feira no Diário Oficial da União como membro da equipa de transição do novo governo de Jair Bolsonaro, sendo que 22 desses nomes foram indicados pela transição e cinco pelo governo de Michel Temer (atual Presidente do Brasil), por já serem funcionários públicos.

O salário de Marcos Carvalho será de 9.926,60 reais (cerca de dois mil euros) durante a transição governamental.

O empresário participou na reunião da equipa de transição realizada nesta segunda-feira, em Brasília, com os futuros ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, da Defesa, general Augusto Heleno, e da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, segundo o jornal Folha de São Paulo.

Carvalho explicou que vai "ajudar na comunicação" da equipa e enviou um comunicado à imprensa brasileira na qual afirmou que todas as ações da campanha de Bolsonaro foram "regulares".

A campanha de Bolsonaro apresentou, há uma semana, ao Tribunal Superior Eleitoral, um gasto adicional de 535 mil reais (cerca de 126 mil euros) com a AM4 Brasil Inteligência Digital, empresa em que Marcos Aurélio Carvalho é sócio.

Segundo os dados disponíveis até ao momento, este valor tornou a companhia como a maior prestadora de serviços da candidatura do capitão reformado e candidato da extrema-direita.

O gasto com a empresa soma 650 mil reais (cerca de 153 mil euros) na primeira e segunda voltas das eleições presidenciais

O candidato derrotado à Presidência do Brasil Fernando Haddad (do Partido dos Trabalhadores, da esquerda) denunciou no dia 18 de outubro um suposto esquema ilícito envolvendo o seu adversário Jair Bolsonaro e empresários que teriam patrocinado a divulgação de mensagens "mentirosas" pela rede social WhatsApp.

"Identificámos uma campanha de difamação no WhatsApp e, dada o volume de mensagens sabíamos que havia dinheiro sujo. Hoje [o jornal] Folha de São Paulo traz provas de que de facto houve a montagem de uma organização criminosa de empresários que via caixa 2 [dinheiro não declarado à Justiça eleitoral] promoveu esta campanha de difamação, tentando cometer fraude e acabar com a eleição na primeira volta", disse Haddad à imprensa brasileira, quando faltavam apenas dez dias para a segunda volta da eleição.

A prática é ilegal, pois trata-se de doação de campanha por empresas, vedada pela legislação eleitoral, e não declarada, de acordo com o jornal que denunciou o esquema.

A assessoria de imprensa da empresa AM4 afirmou ao jornal Folha que não contratou a suposta divulgação de conteúdos via WhatsApp e que o pagamento de 535 mil reais se deveu ao aumento do seu trabalho na segunda volta da corrida eleitoral, "quando o candidato [Bolsonaro] passou a ter tempo de rádio e televisão e a AM4 também passou a dirigir os filmes da campanha".

No entanto, no dia 26 de outubro, a AM4 admitiu ao site de notícias UOL que contratou serviços de divulgação de informação em massa (nas redes sociais), mas sem objetivos eleitorais.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.