Brasileiros são a maior comunidade de imigrantes

Mais de 85 mil vivem em Portugal, maioritariamente na região da Grande Lisboa. Mulheres ultrapassam os homens

Numa década, Portugal passou a ser um dos destinos preferidos para a imigração brasileira. Passaram de sétima comunidade para o primeiro lugar entre 2001 e 2011. Na época em que se realizaram os últimos Censos(2011) viviam em Portugal 109 787 brasileiros. A maioria dos quais se fixaram na região da Grande Lisboa. No entanto, em 2014 apenas 85 288 tinham estatuto de residente permanente.

Jovens, empregados na restauração e mais mulheres. Estas são as grandes linhas dos imigrantes de terras de Vera Cruz em Portugal. Na procura por uma vida melhor na Europa, a maioria dos brasileiros escolhe Portugal como destino. Os laços históricos, a partilha do idioma e os programas especiais de acolhimento tornam a escolha mais fácil. No entanto, os anos de crise em Portugal também deixaram marcas e registou-se uma quebra na população estrangeira, que afetou também a comunidade brasileira.

Em 2014, tinham título de residência em Portugal 85 288. Ainda assim, à frente das nacionalidades cabo-verdiana (40 563) e ucraniana (37 809). São as três maiores.
A recuperação económica do Brasil e a crise económica levaram milhares de imigrantes a regressar. Os que ficam continuam a encontrar emprego maioritariamente na restauração, na limpeza e como vendedores em lojas.

Em média os residentes brasileiros têm 30,9 anos, caracterizando-se por serem uma comunidade jovem. Vêm por questões laborais e têm em média o ensino secundário. Apesar disso, registavam-se em 2011 (dados mais recentes) 11,4% em situação de desemprego.

Mais de metade da comunidade vive em união formalizada (casamento ou união de facto). E um terço dessas relação são com cidadãos portugueses, segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). São predominantemente católicos (47,2%) e protestantes (14%).

Turistas também em queda

Da mesma maneira que o fluxo de migração está em queda, depois de um crescimento fulgurante, também o turismo já conheceu melhores dias. No ano passado, os turistas oriundos do Brasil representaram 1,3 milhões de dormidas. Ainda assim, um valor que representava uma quebra em relação ao ano anterior de cerca de 9%, apontavam os dados do INE.

Por regra, os turistas vindos do outro lado do Atlântico procuram conhecer as suas raízes, numa visita a Portugal e muitos têm ligações familiares ao país. "Quase todo o brasileiro tem um pé em Portugal", reconhecem, quando questionados sobre a escolha por este destino. A juntar à procura pelas raízes, está o conforto de sair do seu continente e continuar a falar a mesma língua. Em 2014, o Brasil era o quinto país na origem de turistas em Portugal. Ao todo, visitaram-nos 579 mil brasileiros.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.