Brasil em choque com imagens de marido que mata a mulher

No caso, que resultou na morte da advogada Tatiane Spitzer após queda de um quarto andar, o marido é acusado de homicídio com quatro agravantes. Número de mulheres vítimas de homicídio no ano passado no Brasil foi de 4539, um aumento de 6,1% em relação a 2016

O Brasil ainda está em choque depois das imagens das agressões de Luís Felipe Mainvailer, um biólogo e professor universitário, à mulher, a advogada Tatiane Spitzer, terem sido divulgadas pelas televisões nacionais do país. Ontem, Mainvailer foi formalmente acusado dos crimes de homicídio com quatro agravantes - meio cruel, dificultar a defesa da vítima, motivo torpe e feminicídio -, de cárcere privado e de fraude processual.

Tatiane, de 29 anos, foi encontrada morta na madrugada do dia 22 de julho, em Guarapuava, cidade do Paraná, depois de cair do quarto andar do prédio onde vivia com Mainvailer, de 32.

O marido foi detido naquela manhã após sofrer um acidente de automóvel a 340 quilómetros do local, próximo da fronteira com o Paraguai. No dia 31 de julho foi indiciado pela polícia por homicídio. Em depoimento negou a autoria do crime, sustentando que fora suicídio, e que o acidente de viação se deveu "à visão constante dela a jogar-se da varanda".

Foi então que as imagens gravadas por câmaras de segurança do prédio foram tornadas públicas. Nelas, vê-se Mainvailer, que voltava de carro no início da madrugada da sua festa de aniversário, a agredir Tatiane ainda na viatura. Depois, as agressões e perseguições sucedem-se na garagem do edifício e no elevador. Mais tarde, já depois da queda do quarto andar que motivou a morte de Tatiane, o suspeito arrasta o corpo da mulher e tenta, visivelmente desesperado, limpar imagens de sangue do elevador.

O pai da vítima relatou indícios de agressões noutras ocasiões. Uma amiga mostrou à polícia mensagens de Tatiane a queixar-se do comportamento do marido e a equacionar o pedido de divórcio. O irmão de Manvailer, no entanto, garante que o casamento era feliz.

A perícia realizada no local do crime constatou uma fratura no pescoço de Tatiane, o que pressupõe asfixia.

A defesa alerta para o facto de todas as teses levantadas serem, por enquanto, meramente especulativas e já pediu a transferência de Manvailer para atendimento psiquiátrico urgente, uma vez que o detido tentou o suicídio na cela.

Mais de 600 casos de violência doméstica por dia em 2017

De acordo com o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, o Brasil teve registo de 221 238 casos de violência doméstica em 2017. Os números devem, contudo, ser ainda maiores, uma vez que vários órgãos regionais não forneceram dados ao Anuário.

Este conclui ainda que o número de mulheres vítimas de homicídio no ano passado foi de 4539, um aumento de 6,1% em relação a 2016. Destas, mais de 1100 foram vítimas de feminicídio.

O número de assassínio também bateu recordes no ano passado. Foram registadas 63 619 mortes violentas, um aumento de 2,9% em relação a 2016.

Em São Paulo

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.