Vaiado, Boris Johnson anula conferência de imprensa no Luxemburgo

Primeiro-ministro britânico e presidente da Comissão Europeia reuniram-se no Luxemburgo. A Comissão Europeia diz continuar a aguardar propostas de Boris Johnson. Downing Street reafirma determinação em acabar com o backstop.

Um ser que simboliza a lentidão, o caracol, e outro que nada contra a corrente, o salmão. Foi esta a escolha da ementa para o almoço de trabalho do chefe do governo britânico Boris Johnson com o presidente da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker, num restaurante no centro da cidade do Luxemburgo. À mesa estiveram também os negociadores do Brexit Michel Barnier (UE) e Stephen Barclay (Reino Unido). No final da refeição, um comunicado da Comissão esclareceu que continua a aguardar pelas propostas do governo britânico.

A reunião tinha como finalidade analisar as conversações em curso e falar sobre as próximas etapas.

"O presidente Juncker recordou que é da responsabilidade do Reino Unido apresentar soluções juridicamente exequíveis que sejam compatíveis com o acordo de retirada. O presidente Juncker sublinhou que a Comissão continua disposta e aberta a examinar se essas propostas cumprem os objetivos do mecanismo de salvaguarda [backstop]. Tais propostas ainda não foram apresentadas", lê-se no comunicado da Comissão, que esclarece ainda que o luxemburguês irá falar sobre o tema na quarta-feira de manhã em Estrasburgo.

Boris Johnson foi recebido com vaias e protestos de cidadãos britânicos que vivem no grão-ducado. O homem que comparou o Reino Unido com o super-herói de BD Hulk e disse que se registavam "grandes progressos" antes da viagem não fez qualquer declaração no final.

Em entrevista que deu que falar ao Mail on Sunday , Johnson comparou o país que governa à personagem Bruce Banner que, enraivecida, se torna num monstro verde. "Quanto mais o Hulk fica enraivecido, mais forte o Hulk se torna, e acaba sempre por escapar, mesmo que pareça bem amarrado, e é esse o caso deste país."

"O primeiro-ministro e o presidente Juncker tiveram uma reunião construtiva durante o almoço. O primeiro-ministro confirmou novamente o seu compromisso com o Acordo de Sexta-Feira Santa/Belfast e a sua determinação em chegar a um acordo com a eliminação do mecanismo de salvaguarda, o que os deputados do Reino Unido poderiam apoiar", disse um porta-voz do governo britânico. Este voltou a dizer que Boris Johnson não vai solicitar uma extensão e que vai retirar o Reino Unido da UE em 31 de Outubro.

"Os líderes concordaram que as discussões precisavam de ser intensificadas e que as reuniões vão passar a realizar-se em breve numa base diária", concluiu.

A primeira reação ao encontro foi do Partido Nacionalista Escocês (SNP). "Após a reunião com Boris Johnson, a UE deixa claro que o ónus de apresentar propostas é do Reino Unido. Johnson não conseguiu propor nada de significativo. É só ilusões", escreveu o líder parlamentar Ian Blackford.

Conferência anulada

Boris Johnson reuniu-se depois com o homólogo luxemburguês, Xavier Bettel. No final, o britânico anulou a sua participação na conferência de imprensa conjunta. Bettel, apontando para o estrado vazio com a bandeira britânica por trás, afirmou: "Agora é com o senhor Johnson. Tem nas mãos o futuro dos cidadãos britânicos e de todos os europeus no Reino Unido nas mãos. É da sua responsabilidade. O seu povo e o nosso povo contam consigo. Mas o tempo está a passar. Use o tempo sabiamente", afirmou, tendo ouvido aplausos dos manifestantes.

Bettel relembrou que o acordo de retirada foi celebrado entre o anterior governo e Bruxelas. "Não façam da UE o mau da fita. Não é da minha responsabilidade. Não ponham a culpa em nós só porque não sabem sair desta situação". afirmou.

A extensão até janeiro de 2020 que os deputados britânicos aprovaram antes de o Parlamento ficar suspenso não é solução por si só, disse ainda o luxemburguês. "Uma extensão só é opção se servir um propósito", pelo que já anunciou que está contra um adiamento do Brexit sem um motivo claro.

Disse ainda rejeitar um acordo que ponha em causa quer o mercado único quer o Acordo de Sexta-feira Santa, e mostrou-se solidário para com o primeiro-ministro irlandês Leo Varadkar. "Não vamos abandonar a Irlanda", declarou.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...