Bolsonaro solidário com humorista condenado por piada contra deputada do PT

Danilo Gentilli foi sentenciado a seis meses de prisão por rasgar e esfregar nos órgãos sexuais uma carta da parlamentar Maria do Rosário, a mesma a quem o presidente da República se dirigiu dizendo que não estupraria porque não merecia

O presidente da República Jair Bolsonaro solidarizou-se com o humorista Danilo Gentili, condenado a seis meses e 28 dias de prisão pelo crime de injúria contra a deputada federal Maria do Rosário, do PT.

Segundo a sentença, em que cabe recurso, assinada por uma juiza de São Paulo, Gentilli, que apresenta um talk show no canal SBT, ofendeu "a dignidade ou o decoro" da deputada, "atribuindo-lhe a alcunha de 'puta', bem como expôs, em tom de deboche, a imagem dos servidores públicos federais e seu respectivo órgão, ou seja, a Câmara dos Deputados".

O caso aconteceu a 22 de março de 2016, quando o comediante publicou na rede social Twitterum vídeo rasgando e esfregando nas partes íntimas uma correspondência oficial enviada por Maria do Rosário.

Para Bolsonaro, o caso viola "o direito de livre expressão" "Solidarizo-me com o apresentador e comediante Danilo Gentilli ao exercer seu direito de livre expressão e sua profissão, da qual, por vezes, eu mesmo sou alvo, mas compreendo que são piadas e faz parte do jogo, algo que infelizmente vale para uns e não para outros".

A magistrada não concordou com a alegação da defesa de que não houve intenção de ofender a deputada, por se tratar de uma peça humorística. "Se a intenção do acusado não fosse a de ofender, achincalhar, humilhar, ao ser notificado pela Câmara dos Deputados, a qual lhe pediu apenas que retirasse a ofensa de sua conta do Twitter, o acusado poderia simplesmente ter discordado ou ter buscado a orientação jurídica de advogados para acionar pelo que entendesse ser seu direito".

Gentilli já reagiu: "Ao público, aos amigos e aos jornalistas, comediantes e artistas que após a minha condenação à prisão manifestaram apoio à liberdade de expressão: muito obrigado! Nunca esquecerei disso. Aos comediantes e artistas que pedem liberdade para político criminoso e chilicam contra uma possível repressão num possível futuro, mas que estão bem quietinhos agora: muito obrigado também por provarem que o meu ponto de vista é verdadeiro".

Maria do Rosário é a mesma deputada que se envolveu numa discussão com o então colega Bolsonaro em 2003 em que o hoje presidente disse "eu jamais te estupraria porque você não merece" por, supostamente, a parlamentar o ter chamado de "estuprador".

O caso mereceu repercussão na imprensa e nas redes sociais com argumentos a favor da liberdade de expressão de Gentilli, por um lado, e críticas a Bolsonaro por se ter apressado a solidarizar-se com o humorista e não ter ainda se solidarizado com a família de Evaldo Rosa, morto por engano numa ação do exército após rajada de 80 tiros no Rio de Janeiro.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...