Bolsonaro como Soares. Levanta anão ao colo a pensar que era uma criança

Gafe ocorreu em aglomeração de apoiantes do presidente do Brasil em Aracaju, capital do Sergipe, e, como seria de esperar, viralizou nas redes sociais.

Tal como aconteceu no seu tempo com Mário Soares, na quente campanha para as presidenciais de 1986, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro levantou um anão confundido com uma criança, durante uma aglomeração que provocou na capital de Sergipe, Aracaju, na segunda-feira, dia 17, mas que apenas dois dias depois viralizou nas redes sociais.

Na cena, presume-se que o presidente brasileiro não sabia que o apoiante, vestido de fato e com uma máscara com o símbolo do clube desportivo Flamengo a tapar-lhe o rosto, que tinha no colo se tratava de um adulto anão. Logo na hora, uma outra adepta de Bolsonaro pergunta ao chefe de estado se, de facto, se tratava de uma criança, ele olha de soslaio e retira-se do local.

Sem surpresa, o vídeo da cena viralizou nas redes sociais sob legendas humorísticas. Houve quem invertesse o episódio escrevendo "anão levanta Bolsonaro achando que ele era um presidente" e comparasse o adulto levantado com o "estado mínimo" que o governo quer levar a cabo.

Em campanha pelo nordeste do Brasil, onde recupera popularidade em virtude do auxílio emergencial de cerca de 100 euros oferecido às populações carentes durante a pandemia, noutro momento foi a vez do próprio Bolsonaro ser levantado por um membro da sua equipa de segurança para acenar ao público de Aracaju, aglomerado, em espaço fechado, o que contraria as normas da Organização Mundial de Saúde na pandemia.

Quando Soares beijou um anão em Faro

Ficou para a história como talvez o mais caricato dos momentos caricatos que envolveram uma das mais importantes figuras políticas da história da democracia portuguesa. Decorria o ano de 1986 e Mário Soares andava em campanha presidencial pelo Algarve, no meio de uma disputadíssima segunda volta contra o então centrista (CDS) Freitas do Amaral.

Na região de Faro, a caravana de Soares era recebida por um grupo de crianças que empunhavam e gritavam o slogan "Soares é fixe e o Freitas que se lixe". Mário Soares saiu do carro e distribuiu beijos por alguns dos miúdos. Quando se preparava para levantar um deles ao colo, percebeu que se tratava de um anão.

Um episódio recordado por outros histórico do PS, Manuel Alegre, num ciclo dedicado a Soares, em 2018. "A primeira campanha [presidencial de Soares] é essencial porque ele descrispou o país sem andar a fazer "selfies" e aos beijinhos... Andava aos beijinhos. Uma vez até agarrou num anão. Andava a beijar as crianças e agarrou num anão. O anão a espernear e ele deu um beijo ao anão", recordou então Manuel Alegre, citado pela Rádio Renascença.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG